Bolsonaro quer parecer do Ministério da Saúde para volta gradual do futebol

GUSTAVO URIBE, FÁBIO PUPO E PAULO SALDAÑA
Folhapress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta segunda-feira (27) esperar que o Ministério da Saúde produza um parecer com a recomendação que permita a volta gradual de treinos e jogos de futebol, inicialmente com portões fechados.

“Fui procurado por algumas autoridades do futebol, está sendo trabalhado neste sentido [de liberação gradual]. Conversei com um técnico de futebol neste final de semana, lá no Rio Grande do Sul, que foi favorável primeiramente a não ter [jogos], porque a contaminação acontece no vestiário, e agora é favorável [ao retorno]”, disse o presidente, sem revelar o nome do técnico. “É só você não deixar tanta gente no vestiário”, argumentou.

“Flamengo e Palmeiras têm folha próxima de R$ 15 milhões. Times de segunda divisão, uma parte vai ser extinta. Pelo que me consta, já estão fazendo acordos para jogador ganhar 60%, 50%, 40% do que ganham. Não tem receita, bilheteria, não tem televisão”, afirmou.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O assunto está sendo discutido com o secretário especial do Esporte, Marcelo Magalhães, segundo o presidente, e poderá avançar em breve.

Em entrevista à imprensa, também nesta segunda, o secretário especial de Produtividade e Emprego, Carlos da Costa, disse que a equipe econômica iniciou tratativas com os clubes.

Segundo ele, a ideia é que, inicialmente, os jogos ocorram sem a presença de público e com a adoção de protocolos de segurança para atletas, árbitros e jornalistas.

"Nós já estamos pensando e conversando com os clubes de futebol em retomar as atividades. Essa retomada, obviamente, com portões fechados, porque a nossa preocupação principal é com a saúde", disse. "A CBF está em contato com clubes e em contato conosco", acrescentou.

O secretário disse que ainda não foi estipulada uma data para a retomada das partidas. "Ainda não existe uma data especifica, mas acho que o futebol é relativamente mais simples. Tem que ser planejado e preservando a saúde, sempre em primeiro lugar, com protocolos adequados", afirmou.

De acordo com ele, o que está em avaliação neste momento é o "timing" certo para a retomada, de modo a não colocar em risco os atletas e demais envolvidos.

"A ideia não é fazer um grande evento esportivo, porque os portões estarão fechados. É um evento relativamente com poucas pessoas. Não será aberto para a população, apenas atletas e relacionados", afirmou.

Segundo assessores palacianos, o presidente Jair Bolsonaro tem defendido que as partidas já voltem a ocorrer a partir de maio, mas tem havido resistência por parte de dirigentes dos clubes.

A defesa é para que se espere pelo menos o pico dos casos da doença, cuja previsão é de que ocorra justamente no mês que vem.

Para sobreviver ao período da pandemia, a CNC (Comissao Nacional dos Clubes) quer que as parcelas do Profut sejam congeladas por 12 meses e que as novas dívidas contraídas com a máquina pública também sejam incluídas no parcelamento.

A justificativa da entidade, que reúne equipes das quatro divisões nacionais do futebol brasileiro, é que isso amenizaria os impactos financeiros que as agremiações terão com a paralisação do esporte na pandemia.

Leia também