Bolsonaro mandou empregar amigo no PSL no Rio, diz revista

Brazil's president Jair Bolsonaro arrives for the National Flag Raising ceremony in front of Alvorada Palace amid the Coronavirus (COVID-19) pandemic, in Brasilia, Brazil, on Tuesday, June 9, 2020. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)
Brazil's president Jair Bolsonaro arrives for the National Flag Raising ceremony in front of Alvorada Palace amid the Coronavirus (COVID-19) pandemic, in Brasilia, Brazil, on Tuesday, June 9, 2020. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)

Amigo e ex-assessor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Waldir Ferraz, o Waldir Jacaré, ganhou um cargo dentro do PSL, sigla do então candidato ao Planalto.

Segundo o colunista Guilherme Amado, da revista Época, Bolsonaro ordenou que Gustavo Bebianno, seu homem-forte durante a campanha eleitoral, empregasse Ferraz dentro do diretório do partido no Rio de Janeiro.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Waldir recebia R$ 6.203,00, mas nunca trabalhou de fato, segundo integrantes do partido informaram à revista. Jacaré afirma ter sido assessor de imprensa.

O presidente condecorou Waldir Ferraz com a Ordem Rio Branco em março de 2019, quando também entregou a honraria aos filhos Flávio e Eduardo Bolsonaro.

Ferraz foi demitido pelo PSL quando o presidente rompeu com o partido, em novembro de 2019. Meses depois, em março de 2020, Jacaré afirmou que “Bolsonaro gosta de bandido”.

Bebianno, que no governo tornou-se secretário-geral da Presidência, morreu em março do ano passado.

Leia também