Bolsonaro já classificou 57 atividades como "essenciais"

Yahoo Notícias
(Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Crítico do isolamento social para tentar combater o novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro já fez inúmeros discursos pela volta da “normalidade” ao Brasil, sobretudo no comércio

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

E ele vem tentando transformar esse retorno numa política oficial, mesmo contrariando a maioria das recomendações de especialistas e dos próprios prefeitos e governadores.

Leia também:

Segundo reportagem do UOL, Bolsonaro já classificou como “essenciais” 57 atividades, entre elas academias de ginástica, salões de beleza, lotéricas e igrejas.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Pela lei do novo coronavírus, o governo federal tem a prerrogativa de estabelecer o que é atividade essencial ou não por meio de decreto - sem a necessidade de aprovação do Parlamento. Por outro lado, o STF já determinou que governadores e prefeitos têm o poder de decidir quais medidas tomar sobre a doença.

O primeiro decreto de Bolsonaro sobre a liberação de serviços essenciais é de 20 de março, com 20 atividades. Não houve polêmica. 

Depois desse, houve outros decretos que incluíram igrejas, conserto de pneus, locação de veículos nas atividades. E daí começaram os questionamentos na Justiça.

O último decreto, sobre classificar salões de beleza e barbearia como “essenciais” foi formulada sem o conhecimento do então ministro da Saúde Nelson Teich, que pediu demissão na sexta.

Especialistas ouvidos pelo UOL analisam que o presidente deveria ser mais restritivo da classificação do que é “essencial” neste momento da pandemia  e que essa questão - do que é “fundamental” - pode até parar no Supremo Tribunal Federal.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também