Bolsonaro dispensa deputada Bia Kicis da vice-liderança do governo no Congresso

Yahoo Notícias
A publicação no Diário Oficial não explica o motivo para a dispensa da deputada (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A publicação no Diário Oficial não explica o motivo para a dispensa da deputada (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) retirou a deputada Bia Kicis (PSL-DF) da função de vice-líder do governo no Congresso Nacional. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União, na quarta-feira (22).

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

No seu primeiro mandato como deputada, Bia Kicis é uma das principais aliadas de Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A publicação no Diário Oficial não explica o motivo para a dispensa da deputada.

No entanto, segundo informações do G1, a saída de Bia Kicis tem relação com o resultado da votação do Fundo de Desenvolvimento da Educação (Fundeb), pela Câmara dos Deputados.

A parlamentar votou contra a renovação do fundo, enquanto Bolsonaro afirma que o governo mostrou "responsabilidade", como ele mesmo diz, em votar a favor da proposta, e ainda comemorou o resultado em suas redes sociais.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar  

Na votação da  proposta de emenda à Constituição (PEC) em primeiro turno, o texto foi aprovado por 499 votos a 7. Bia Kicis deu um dos votos contrários. Na votação da PEC em segundo turno, o texto foi aprovado por 492 votos a 6 e a deputada também votou contra. Os votos contrários foram dados por parlamentares de PSL, PSC e DEM.

No início deste mês, Bolsonaro decidiu trocar vice-líderes em meio ao avanços no Supremo Tribunal Federal (STF) do chamado inquérito das fake news, que apura a disseminação de conteúdo falso na internet.

 Leia também

Um deles foi o então vice-líder na Câmara, o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), que entregou o cargo no dia 9 de julho. O anúncio, feito por uma rede social, ocorreu após o próprio deputado chamar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, de “lixo”

Em junho, o deputado e outros dez parlamentares tiveram o sigilo bancário aberto por ordem de Moraes.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também