Bolsonaro confirma realização de Copa América e anuncia jogos em três estados e DF

·4 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro confirmou na tarde desta terça-feira (1º) que o Brasil sediará a Copa América 2021.

De acordo com o ministro da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, os jogos serão realizados nos estados do Rio de Janeiro, Mato Grosso, Goiás e no Distrito Federal.

No evento de assinatura do contrato de transferência de tecnologia da vacina para Covid-19 entre a AstraZeneca e o governo federal, Bolsonaro havia anunciado Mato Grosso do Sul em vez de Mato Grosso. Também havia dito que um quinto estado, que "chegou um pouco atrasado", seria sede.

Nos bastidores, falava-se em São Paulo, mas o governador João Doria (PSDB) decidiu vetar jogos da Copa América no estado.

"Os cientistas apontaram que, neste momento, a realização do torneio representaria uma má sinalização de arrefecimento no controle da transmissão do coronavírus, prioridade absoluta do governo do estado", informou nota do governo paulista.

Governadores de outros estados já haviam anunciado que não aceitariam receber jogos por causa da pandemia.

"Confirmada a Copa América no Brasil. Venceu a coerência! O Brasil que sedia jogos da Libertadores, Sul-Americana, sem falar nos campeonatos estaduais e no Brasileiro, não poderia virar as costas para um campeonato tradicional como este. As partidas serão em MT, RJ, DF e GO, sem público", escreveu o ministro.

Bolsonaro disse ter sido procurado pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) na segunda-feira (31) e, como o país está sediando outras competições "sem problema nenhum", ouviu ministros e não se opôs a receber o torneio, dando uma resposta "em poucas horas", como explicou em discurso.

O presidente da República citou a realização dos jogos da Copa Libertadores e das Eliminatórias da Copa do Mundo.

"Então, decidimos que o que dependesse do governo federal, seguindo os mesmos protocolos, nós estávamos em condições de realizar a Copa América aqui no Brasil", afirmou Bolsonaro.

Auxiliares do presidente passaram o dia sustentando o discurso feito na segunda-feira pelo ministro da Casa Civil. Ramos havia dito que a organização da competição não cabia ao governo.

No fim da tarde, Bolsonaro afirmou que Ramos participou da escolha das sedes.

"Faltava agora então, via não só CBF, [mas] bem como com a colaboração da Casa Civil, escolhermos as sedes em comum acordo, obviamente, com os governadores", disse Bolsonaro antes de anunciar cidades e estados.

Pela manhã, ao conversar com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, Bolsonaro já havia defendido a realização do campeonato no Brasil.

"No que depender de mim, todos os ministros —inclusive o da Saúde— já está acertado, haverá [Copa América no Brasil]. Protocolo é o mesmo da Libertadores, da Sul-Americana, é a mesma coisa", disse Bolsonaro, ao sair do Palácio da Alvorada.

Ele ainda acusou a TV Globo de estar por trás das reações contra a organização do campeonato no Brasil, por conta de direitos de transmissão.

"O que está havendo aqui? O movimento da Globo contrário, porque os direitos de transmissão são do SBT", afirmou Bolsonaro.

Horas mais tarde, em evento no Palácio do Planalto, Bolsonaro voltou a abordar o tema. Ele afirmou que, ao ser sondado pela CBF, consultou ministros que tinham algum envolvimento com o assunto.

"Foi unânime. Deixo bem claro, unânime. Todos deram sinal positivo", disse.

Procurada sobre a tabela e distribuição das equipes por sedes, a CBF informou que a Conmebol é quem deverá fazer os anúncios relativos à competição. Já entidade que comanda o futebol sul-americano disse que ainda divulgará as rodadas e locais.

A competição está prevista para começar no dia 13 de junho, com a disputa da final em 10 de julho.

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou nesta terça que é "inacreditável" que o governo federal queira sediar a Copa América no Brasil no momento de agravamento da pandemia do coronavírus.

"Seria transformar essa copa em campeonato da morte. Já que nós não podemos fazer um apelo ao presidente, ao Ministério da Saúde e à CBF, que tem se transformado em negacionista e irresponsável, quero me dirigir à seleção brasileira, aos seus jogadores, aos treinadores, ao Neymar", disse.

"Neymar, não concorde com a realização dessa Copa América no Brasil. Não é esse o campeonato que nos precisamos disputar. Precisamos disputar o campeonato da vacinação, é esse que precisamos disputar e ganhar. (...)Não permita entrar em campo enquanto os seus parentes, conhecidos, continuam a morrer", continuou Renan.

Na segunda-feira, a Conmebol informou que a Copa América ocorreria no Brasil, após a desistência tanto da Colômbia como da Argentina. Os colombianos abriram mão do campeonato por conta dos protestos e da violência registrados nas ruas do país, enquanto que os argentinos alegaram o recrudescimento da pandemia da Covid.

O governo Bolsonaro foi criticado por concordar com a vinda da competição para o país, onde o coronavírus já deixou mais de 460 mil mortos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos