Boleiros ganham chances e se tornam promessas do vôlei de praia brasileiro

·4 min de leitura


Recém-saído da adolescência, o catarinense Samuel Bello, de apenas 19 anos, é uma das maiores promessas do vôlei de praia brasileiro, modalidade que já rendeu ao país 13 medalhas olímpicas, mas passou em branco nos Jogos de Tóquio e agora busca se recuperar em termos de resultados. Atual campeão sul-americano sub-19, ele representará o Brasil no Mundial da categoria que acontece de 6 a 11 dezembro, em Phuket, na Tailândia.

Nascido em Faxinal do Guedes (SC), hoje ele mora e treina em Itapema, no litoral norte catarinense. A cidade recebe, desde a última quarta, pela terceira vez uma etapa do Circuito Mundial de vôlei de praia. A competição vai terminar no próximo domingo.

O jovem atleta esteve presente nas duas primeiras vezes que Itapema recebeu o Circuito Mundial, no entanto, fora das quadras. Em 2018 e 2019, Samuel era um dos boleiros do evento e sonhava em jogar.

E o sonho não demorou a se tornar realidade. Ao lado do parceiro Nico, que também tem 19 anos, Samuel se destacou nos torneios de base, conquistou etapas do Circuito Brasileiro sub-21 e galgou um lugar na chave principal do Circuito Open, entre as melhores duplas do país, por duas vezes. O bom desempenho do time rendeu um convite para a disputa do qualifying em Itapema.

Com o apoio da torcida, Samuel e Nico estrearam no Circuito Mundial com vitória sobre os russos Bakhnar e Samoday: 2 sets a 0 (21/18 e 21/18). Na segunda rodada, Samuel e Nicolas foram superados pelos espanhóis Huerta e Jiménez, por 2 sets a 1 (21/16, 17/21 e 16/18).

Apesar da frustração, Samuel avaliou bem a participação da dupla em Itapema. O atleta relembrou que, nas outras duas vezes que o Circuito Mundial passou pela cidade do litoral catarinense, em 2018 e 2019, ele tinha participado do lado de fora das quadras.

- Sendo bem sincero, acho que o menino de 2018 e 2019 sonhava muito em estar aqui, mas não acreditava que chegaria tão rápido. Ter tido essa experiência foi incrível. Foi sensacional jogar com o público, em casa, nessa arena lotada. Fico triste pela derrota, mas muito feliz pelo que a gente vem trilhando ao longo do nosso caminho. Uma derrota no detalhezinho, dois pontos de diferença, fica a sensação de que dava, mas a gente não pode deixar de ser grato por tudo que já conquistou - contou.

Mateus Manaus, o novo Samuel?

Uma história similar começa a se desenhar nesta temporada. Outra joia da base do vôlei de praia brasileiro está em Itapema observando craques do Brasil e de outros 29 países. Mateus Rodrigues, o Mateus Manaus, de 20 anos e 1,92m, foi terceiro colocado na última etapa do Circuito Brasileiro sub-21, em setembro, é um dos boleiros desta edição do evento.

Ele nasceu em São Paulo e foi ainda criança morar na capital amazonense, onde deu os primeiros passos no vôlei e descobriu seu talento na praia. Aos 18 foi convidado por Robson Xavier, técnico da seleção de base masculina do vôlei de praia brasileiro, a integrar o projeto em Maringá (PR).

Mateus veio a Itapema para tentar uma vaga na quarta etapa do Circuito Brasileiro e, antes da realização da segunda etapa do Circuito sub-21, que acontece na mesma arena do Mundial, entre 14 e 16 de novembro, e, enquanto aguarda o início da competição, participa de forma ativa do torneio internacional.

- Eu já vinha para Itapema e então aproveitei e conversei com o pessoal da organização para tentar participar de alguma forma do Circuito Mundial enquanto espero a etapa do sub-21. Aqui eu posso observar bem de perto os principais jogadores, os meus ídolos. Aprender um pouco com eles. E eu sonho um dia poder estar aqui do lado de dentro da quadra, representando o Brasil. Estou me estabelecendo como atleta profissional do vôlei de praia, e jogar no Circuito Mundial é o objetivo de todos nós - contou Mateus.

Na disputa da segunda etapa do Circuito Brasileiro sub-21, em Itapema, Mateus Manaus jogará ao lado de Patrick Miranda. Samuel e Nico também estão na disputa. Na primeira etapa, no Rio de Janeiro (RJ), Samuel e Nico ficaram com a prata e Mateus com Patrick levaram o bronze. O ouro foi para Mateus Dultra e Gabriel Zuliani (CE/PR).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos