Boas notícias de Cano, Fernando Diniz e Nene ficam pequenas diante dos problemas infindáveis do Vasco

·1 minuto de leitura


Há. Realmente há coisas para tirar de positivo da estreia de Fernando Diniz no Vasco. Se o resultado fosse de vitória sobre o CRB, na última noite, certamente haveria justificado otimismo por reduzir a distância para o quarto colocado ao vencer exatamente ele. Como "se" não ganha ponto, a realidade é dura. A missão segue dificílima.

A missão para o acesso. Pois em vez de se aproximar do G4, o time de São Januário deverá ver o tamanho da montanha crescer na rodada. E olha que o balde d'água fria poderia nem ter sido tão tarde. O primeiro gol do CRB foi anulado com o auxílio do VAR, mas falha defensiva passa longe de ser novidade no Cruz-Maltino. Você sabe.

Então as boas notícias vascaínas no Rei Pelé de quase nada adiantam. É verdade que o novo comando do time fez o Vasco ser mais intenso na marcação, mais paciente e compacto na troca de passes e mais inteligente - quase sempre - com a bola no pé. É verdade que o fim do jejum de Germán Cano é vital para qualquer pretensão.

-> Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Mas a maior verdade é que a retaguarda continua levando gol. E se esta sangria não for estancada, nem as intervenções de Diniz, nem as boas novas de Nene, tampouco os gols do centroavante argentino adiantarão de nada.

Se o principal problema do Vasco não for resolvido de forma radical e rápida, o fim de ano vai se aproximar melancolicamente. Será mais provável esperar a equipe não ter chances de acesso três ou quatro rodadas antes do fim da Série B do Campeonato Brasileiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos