Bia Ferreira supera algoz, vai à final e garante pelo menos a prata no boxe nas Olimpíadas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A baiana Beatriz Ferreira, 28, segue com um retrospecto praticamente impecável no boxe nas Olimpíadas de Tóquio-2020. Nesta quinta-feira (5), a brasileira venceu Mira Potkonen, 40, nas semifinais da categoria até 60 kg, por unanimidade.

Assim, Bia avançou à final e ficará ou com a prata, ou com o ouro. Até aqui na carreira, ela tem 31 pódios em 32 competições disputadas.

Bia Ferreira começou vencendo o primeiro round de todos os cinco juízes. No segundo, Potkonen chegou a cair ao chão, e a brasileira venceu segundo quatro juízes. O terceiro apenas sacramentou o encaminhado anteriormente.

As duas pugilistas já se enfrentaram quatro vezes. As duas primeiras foram vencidas pela finlandesa. A brasileira superou a rival pela primeira vez em fevereiro deste ano, na final do torneio de Strandja, na Bulgária.

A vitória desta quinta tem um gosto especial, já que empatou o retrospecto contra uma já conhecida algoz.

Essa foi a primeira medalha olímpica de Bia, que até aqui já tinha um ouro Pan-Americano (em Lima, no Peru, em 2019) e um título do Mundial (também em 2019).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos