Bernie Ecclestone ironiza protestos antirracistas em cartão de Natal

·1 min de leitura
Ex-chefão da F1 substituiu frase
Ex-chefão da F1 substituiu frase "fim ao racismo" para "lutando por igualdade salarial" em charge divulgada. Foto: (Divulgação)

Tradição de fim de ano, o ex-chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, manteve as críticas ao campeonato mundial em seu cartão de Natal. Aos 91 anos, o empresário tratou com ironia os protestos antirracistas que foram promovidos antes de cada Grande Prêmio desde a primeira etapa do campeonato na temporada de 2020.

A frase "End Racism" (Fim ao Racismo em português) que era estampada na camiseta dos pilotos que aderiram ao protesto foi substituída por uma placa amarela em que pedia igualdade salarial na categoria. De acordo com a obra, há hipocrisia em pedir igualdade em todo o mundo, mas ter diferenças salariais dentro da categoria. O desenho também mostra os pilotos George Russell e Pierre Gasly recebendo doses de vacinas de profissionais da saúde enquanto protestam.

Leia também:

O cartão também contém uma mensagem interna em que diz: "Regras para 2022: Não cruze as linhas brancas. Ajude seus competidores com uma pequena ajuda dos comissários, e não dispute posições! Feliz Natal a todos. Aproveitem alguns dias, pois no ano que vem não haverá férias. Meus melhores votos".

Ácido, Bernie fez menção às punições sofridas por Max Verstappen ao citar "não cruze as linhas brancas", clara menção ao que o piloto holandês passou com a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) por exceder os limites de pista. Outra 'indireta' foi a de que não haverá férias no próximo ano, uma vez que o calendário prevê 23 corridas no ano de 2022, sendo o maior da história do campeonato.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos