Bayern vai ganhar as próximas 20 Bundesligas, mas a Champions League é um assunto diferente

Goal.com

Às vezes, na Alemanha, as coisas são muito fáceis para o Bayern de Munique. Na verdade, ali tudo é muito fácil para o clube mais poderoso. No último sábado (29), os bávaros garantiram o 27º título alemão com uma goleada por 6 a 0, fora de casa, sobre o Wolfsburg.

David Alaba abriu o placar com um golaço de falta, e depois Robert Lewandowski somou dois tentos à sua coleção. A vitória já parecia estar garantida, mesmo quando Mario Gomez teve uma grande chance de diminuir a contagem para os ‘Lobos’. Jogador com passagem vitoriosa justamente pelo Bayern, Gomez estufou as redes mais de 100 vezes ao longo de quatro temporadas defendendo o gigante de Munique.

Em seus últimos momentos na Allianz Arena, Gomez viu o seu prestígio na equipe titular diminuir quando o clube comprou Mario Mandzukic junto ao Wolfsburg. É algo corriqueiro para o Bayern, tirar os grandes destaques dos outros clubes alemães. O próprio Lewandowski, principal goleador da equipe atual, era ídolo do Borussia Dortmund antes de trocar o amarelo pelo vermelho. Em outros países, esse tipo de transferência seria impensável. Mas é algo normal, e esperado, na Bundesliga.

Sebastian Rudy 09112016
Sebastian Rudy 09112016

Sebastian Rudy, destaque do Hoffenheim (Foto: Getty Images)

O Hoffenheim, por exemplo, faz uma grande temporada e está prestes a garantir, pela primeira vez em sua história, uma vaga na Champions League. Entretanto, já sabe que dois de seus destaques [o defensor Niklas Sule e o meio-campista Sebastian Rudy] já deixaram tudo certo para defenderem o Bayern. Até porque a equipe de Munique contrata, praticamente, quem quiser na Alemanha, e quando tiram o máximo de determinado atleta, passam adiante.

Por isso, o Bayern é sempre favorito para o título alemão. Muito provavelmente, levantarão a salva de prata [como se chama o troféu] na próxima temporada e deve seguir assim pelos próximos 20 anos. Mas isso não será o bastante para treinadores, jogadores, dirigentes e torcedores. Se você é o Bayern de Munique, a Bundesliga é uma obrigação: o desafio é conquistar a Champions League. Sem sucesso europeu, Ancelotti ou qualquer outro treinador não vai durar muito na Bavária.

Philipp Lahm Bayern München Champions League 05.25.2013
Philipp Lahm Bayern München Champions League 05.25.2013

Lahm, com o troféu da Champions League em 2013 (Foto: Getty Images)

Trazer a Champions League para casa é um desafio diferente. O Bayern consegue avançar da fase de grupos praticamente em todas as temporadas, mas o desafio cresce a partir das oitavas de final: na última vez, a eliminação veio com derrota de 6 a 3, no placar agregado, para o Real Madrid.

Neuer, Boateng, Lewandowski... o Bayern conta com alguns dos maiores jogadores do mundo. E embora tenha garantido a permanência de Thiago Alcântara, um dos grandes destaques do time, os bávaros terão que encontrar substitutos à altura para Xabi Alonso e Philipp Lahm, que se aposentam no final da temporada.

O Bayer pode comprar jogadores de seus rivais domésticos, mas precisa olhar para outros destaques europeus. Segundo o jornal SportBild, Carlo Ancelotti terá cerca de 100 milhões de euros para gastar em contratações e nomes como Antoine Griezmann, Paulo Dybala, Marco Verratti, Alexis Sánchez, Kyle Walker e Kylian Mbappe estariam na mira. Todos os citados deixariam o elenco bávaro mais forte, mas contratar jogadores como os do Hoffenheim não vai mudar o nível do Bayern. Sem Lahm e Alonso, a diretoria do clube terá de trabalhar. O título alemão de 2017-18 já é quase garantia, mas primeira Champions League desde 2013 ainda está longe de chegar.

Leia também