Ceferin diz que VAR não mudaria "nada" no duelo entre Real e Juventus

EFE

Roma, 18 abr (EFE).- O presidente da Uefa, o esloveno Aleksander Ceferin, comentou que o uso do árbitro de vídeo (VAR) não teria mudado "nada" no duelo entre Real Madrid e Juventus pela Liga dos Campeões, mais especificamente na polêmica que marcou o jogo de volta entre as equipes nas quartas de final.

Ceferin se referiu ao pênalti apitado pelo árbitro britânico Michael Oliver nos minutos finais da partida no estádio Santiago Bernabéu, após um contato de Medhi Benatia com Lucas Vázquez na área. Cristiano Ronaldo converteu a cobrança e classificou o time da casa às semifinais do torneio.

"O que teria mudado? Nada. Há quem viu 20 vezes o lance, eu vi 50. Para uma metade continua sendo pênalti e para outra não", afirmou o presidente da Uefa em entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal italiano "La Gazzetta dello Sport".

Essa decisão da arbitragem provocou a ira dos jogadores da Juventus e acarretou a expulsão do goleiro Gianluigi Buffon, que foi expulso com um cartão vermelho direto por reclamar e acusar o árbitro de não ter personalidade para apitar jogos importantes.

"O que ele disse não é correto, não deveria. Mas, do ponto de vista de quem jogou, entendo a frustração e a decepção de quem perde uma partida por um pênalti aos 48 minutos. É compreensivel", avaliou o dirigente.

No entanto, Ceferin defendeu o trabalho realizado pelo responsável da Comissão de Arbitragem da Uefa, o italiano Pierluigi Collina, encarregado de escolher os árbitros para os torneios continentais.

"É como um treinador que escala uma equipe. Escolhe os melhores para ganhar, depois podem acontecer coisas controversas, mas que culpa ele tem?", disse, agregando que o ex-árbitro italiano "contribuiu muito à Uefa".

Ceferin disse estar convencido que ainda é cedo para que o VAR seja utilizado na Liga dos Campeões, mas reconheceu que é um processo que chegará futuramente.

"De forma realista, na temporada 2019-2020 poderíamos tê-lo na Liga dos Campeões e na Eurocopa", comentou, reconhecendo a preocupação com o fato de que a Fifa decidiu usar o VAR na Copa do Mundo da Rússia.

"Tenho um pouco de medo pela Copa do Mundo, na qual haverá árbitros que nunca apitaram uma partida com VAR. Espero que não haja escândalos ou problemas", disse. EFE


Leia também