Bauza critica Sampaoli: 'A ética, no futebol, sempre perde'

Bauza ficou apenas três jogos sob o comando da Arábia Saudita. Nenhum oficial (Foto: JUAN MABROMATA / AFP)

Após sua conturbada saída do comando da seleção da Argentina, Edgardo Bauza deu entrevista ao diário argentino ‘La Capital’ e quebrou o silêncio. Demitido no dia 10, o ex-técnico do São Paulo falou sobre a tristeza, Jorge Sampaoli e a AFA.

- Já passou a mágoa. De tudo se aprende. Porque vão contar como quiserem, mas eu estava fora da seleção antes dos dirigentes assumirem. Se não me demitiram antes, foi porque ganhamos do Chile. Se não, sairia antes - refletiu Bauza.

O principal cotado para assumir o comando dos argentinos é Jorge Sampaoli, que atualmente está no Sevilla. Bauza lamentou algumas atitudes tomadas pelo companheiro de profissão e disse que ele já estava sim em conversas com a federação.

- Não me chateia, me diverte. Me diverte mais que ele negue. Porque em uma das coletivas recentes, ele negou, dizendo que havia um técnico trabalhando, quando eu sabia que há vários meses ele vinha falando com determinados dirigentes.

- Não me parece lógico ou ético, mas a ética no futebol perde sempre. Não digo que não deve atender uma chamada de um dirigente, porque aconteceu comigo. Não é ruim o Sampaoli falar, mas não me parece bom que ele não foi transparente. Mas tudo bem, cada um se porta da maneira de pode. O que desejo é que ele vá bem e a Argentina ganhe a Copa do Mundo - completou.

Sobre a situação da Federação Argentina de Futebol (AFA), o ex-comandante ainda disse que o atual presidente é, antes de tudo, um político.

- Não digo de maneira pejorativa, mas é a verdade. Tapia não me deu um argumento futebolístico (para me demitir). Não havia muita lógica nas suas palavras. O que ele sim me disse foi que a decisão foi tomada por ele, algo que tampouco é tanto assim - finalizou.











E MAIS: