Batistuta se decepciona ao entrar em vestiário da Argentina: "Metade nem me deu bola”

Gabriel Batistuta fez polêmica sobre a atual geração argentina. Foto: Getty Images

Gabriel Batistuta fez nada menos do que 56 gols em 78 jogos pela seleção argentina, na qual jogou entre 1991 e 2002. Ídolo histórico e maior goleador até Messi ultrapassar-lo, ele provocou polêmica nesta semana ao dizer como se sentiu ao entrar no vestiário da seleção atual.

“Entrei no vestiário e metade nem me deu bola. Teve certa frieza, é assim. Eu encarei como algo geracional, eu com esses meninos não tem nada a ver. Todavia, teria gostado se todos tivessem me cumprimentado. Não por quem eu sou, mas sim porque alguma vez joguei ali e compartilhei aquele ambiente”, revelou ao canal TyC Sports.

Quando Maradona, o maior ídolo do futebol argentino, apareceu em um treino da Seleção atual, foi recebido com muita festa encantamento pelos jogadores. Porém, Batistuta não vê o tratamento que ele teve como falta de respeito.

“Não acho que os meninos tenham me faltado com respeito, simplesmente não sentiam… Creio que não foram ajudados tampouco pelos dirigentes anteriores, não há campeões do mundo dando voltas por exemplo. Bilardo (técnico campeão de 1986) foi um dos técnicos campeões do mundo e não tem entrada… Por Deus, é uma barbaridade. É uma desordem incrível”, completou Batigol.

Revelado pelo Newell’s Old Boys, Batistuta ficou poucos anos atuando por River Plate e Boca Juniors. Na Itália, fez história em nove temporadas na Fiorentina e mais três na Roma, além de um curto período na Inter de Milão. Por clubes, seu maior título foi a Série A com a Roma, em 2001. Pela seleção argentina, conquistou duas Copas América (1991 e 1993) e uma Copa das Confederações (1992).

Leia também:
Internet não perdoa e ‘gordinho brigão’ vira meme; veja as melhores montagens
PF prende três pessoas acusadas de desviar dinheiro público na área esportiva
Brasil volta à liderança do ranking da Fifa