'Batia na cabeça para não deixar hematoma', diz ex de Dudu sobre acusação; veja cenas da briga


A ex-companheira do atacante Dudu, do Palmeiras, relatou, nesta terça-feira, mais detalhes sobre as acusações de agressão que ela fez contra o atleta. Mallu Ohana formalizou a situação na delegacia e o camisa 7 precisou se apresentar à polícia nesta terça-feira, na Delegacia da Mulher, em Pirituba, zona norte de São Paulo. Ele negou versão da ex-mulher.

Em entrevista no Instagram do colunista Léo Dias, Mallu contou como era aconteciam as supostas agressões contra ela. Além disso, ela revelou ter testemunhas que comprovam a rotina das violências citadas.

- Ele foi agressivo comigo esses anos todos. Tenho testemunhas. Amigos, tudo. Família dele já presenciou - disse ela. Após 11 anos de relação, eles não estão mais juntos.

A mulher comentou ao jornalista sobre as acusações. A última teria sido, segundo ela relatou, na noite desta segunda-feira, na garagem do prédio onde ela mora junto dos dois filhos do ex-casal. Algumas cenas do suposto desentendimento foram exibidas pelo portal "UOL".






Veja algumas das respostas da ex-mulher do atacante:

DESENTENDIMENTO NA GARAGEM
- ​A briga começou dentro do carro. A gente se agrediu. Durou muito tempo. Foi várias vezes. Eu me defendi. Sempre me defendi. Durou mais ou menos 1h30 de discussões. Tapas, bate boca, vai, volta. Começou na garagem, depois foi para a fora do condomínio. As câmeras flagraram. Minha tia, que é babá, presenciou. E uma amiga minha de Goiânia. Tenho um laudo do Einstein. Ele batia na minha cabeça para não deixar hematomas [aparentes].

Ninguém chamou a polícia. Porteiro ficou calado só vendo. Só minha amiga que está aqui, Michele, tentou ajudar. Nenhum homem, segurança, nada, tentou ajudar. Ele começou a ligar para o advogado, queria chamar a Polícia... aí chegou o assessor dele. Ele pegou meu celular, tentei puxar de volta, ele me puxou. Estou até dolorida. Registrei esse hematoma no boletim.

HISTÓRICO DE AGRESSÃO
Em 2013, quando atuava no Dínamo de Kiev, da Ucrânia, o jogador foi acusado de agredir a mulher a a sogra, em Goiânia. Na época, ele chegou a desembolsar uma multa de R$ 12 mil e foi liberado após se apresentar na Delegacia da Mulher.

- É triste. Muito triste. Ninguém vê o que acontece, ninguém sabe. E me julgam. Acham que ele pode tudo porque tem dinheiro, porque é o "bam bam bam", que ninguém fará nada. Não é só pela agressão, mas as mulheres precisam falar isso. Eu me segurei muito, muito mesmo. Pela minha família. Não gosto disso [exposição], mas chega uma hora que a gente explode. Ninguém é de ferro. Todo mundo que mora no meu bairro lá em Goiânia sabe.

- Estamos juntos há quase 11 anos. Sofri agressões nas minhas duas gravidezes. A coisa começou a ficar ruim após uns cinco anos de namoro. Eu sofri calada esse tempo todo. Pela minha família, pelo meu filho que tem autismo. Eu não queria esse sofrimento.

Procurado pela reportagem do LANCE!, a assessoria do jogador palmeirense negou a agressão e afirmou que Dudu se apresentou espontaneamente nesta terça-feira na delegacia de policia para apresentar sua versão do caso.

Veja a íntegra da nota:

Sobre o boletim de ocorrência citado, informamos que Dudu, absolutamente tranquilo e certo de sua inocência, assim que soube da falsa acusação, se apresentou, nesta terça-feira, ao departamento responsável pela investigação, espontaneamente, sem qualquer intimação.

Vale ressaltar, ainda, que todas as inverdades relatadas à polícia teriam acontecido em local público, com câmeras de segurança e na presença de testemunhas, o que facilitará o esclarecimento dos fatos e o prevalecimento da verdade.






















Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também