Chape perde a 1ª na Arena Condá, e grupo 7 da Libertadores fica embolado

Chapecó (SC), 16 mar (EFE).- Em sua primeira partida na Arena Condá pela Taça Libertadores, a Chapecoense perdeu nesta quinta-feira para o Lanús por 3 a 1 de virada, resultado que deixou o grupo 7 da competição embolado.

Apesar da bonita e emocionante festa protagonizada pelos torcedores em Chapecó, o time anfitrião não conseguiu segurar a vantagem obtida no placar com o gol marcado por Rossi no começo do segundo tempo. Aguirre empatou minutos depois, Sand, em pênalti cometido por João Pedro, ampliou, e Acosta selou o triunfo da equipe 'granate'.

Até agora, quem jogou como visitante nessa chave saiu de campo com a vitória, o que deixa todos os concorrentes empatados em três pontos. O Lanús lidera no saldo de gols, enquanto a Chape segura a lanterna. Embora tenha perdido para o Zulia em Montevidéu por 1 a 0 na quarta-feira, o Nacional-URU é vice-líder porque supera o vice-campeão venezuelano nos gols marcados.

O atual campeão da Copa Sul-Americana terá uma nova chance de fazer a alegria da torcida na Arena Condá no dia 18 de abril, quando receberá o Nacional. No mesmo dia, o Lanús medirá forças com a equipe da Venezuela na Argentina.

O técnico Vágner Mancini repetiu o sistema com três volantes que arrancou vitória convincente sobre o Zulia, na primeira rodada. A única novidade foi o retorno do atacante Rossi, que se recuperou de uma catapora no lugar de Arthur.

Entretanto, com menos de 15 minutos, Mancini se viu obrigado a sacar Moisés Ribeiro machucado. Com isso, Luiz Antonio foi recuado e Osman entrou como meia de ligação.

No Lanús, a novidade em relação à derrota para o Nacional na estreia foi a entrada de Aguirre no meio-campo. Ele levou a melhor na disputa com Rojas e herdou a posição de Pasquini, que não agradou na primeira rodada e foi barrado.

A Chape teve uma postura de quem jogava fora de casa. O time começou recuado e em alguns momentos encurralado no campo de defesa, à espera de uma oportunidade para contra-atacar. Aos oito minutos do primeiro tempo, Reinaldo adiantou na ponta esquerda para Niltinho, que cruzou nas mãos do goleiro Andrada.

A primeira finalização do duelo foi dada aos 15 minutos, por Luiz Antonio, que na estreia havia feito um gol de fora da área. Reinaldo bateu lateral para o volante, que arriscou para defesa firme do arqueiro argentino.

O Lanús tinha ampla vantagem na posse de bola, mas as raras oportunidades apareciam nos poucos erros da defesa dos donos da casa. Aos 18, Nathan errou ao tentar cortar, e Acosta pegou a sobra, mas concluiu mal. Pouco depois, aos 23, o próprio atacante tentou de novo, mas o chute desviou na marcação.

O lance mais perigoso da etapa inicial aconteceu aos 29, e não foi uma finalização. Depois de bate-rebate na área do representante de Santa Catarina, Sand ia ficando em boas condições de marcar, mas Douglas Grolli aliviou o perigo.

Insistente, o time 'granate' continuava esbarrando na fortaleza que era o sistema defensivo ds Chapecoense. Aos 35, foi a vez de Martínez bater com desvio. O troco demorou, mas foi dado aos 44 minutos, quando Reinaldo levantou e Rossi preparou para o meio de cabeça, mas o marcador chegou antes de Wellington Paulista e rechaçou.

A equipe catarinense voltou do vestiário mais solta, atacando mais e abriu o placar aos quatro minutos do segundo tempo. João Pedro arriscou o chute e pegou mal, mas acabou dando um passe para Rossi, que ajeitou e bateu tirando de Andrada para fazer 1 a 0.

Porém, a alegria na Arena Condá durou apenas três minutos, tempo de que os visitantes precisaram para deixar tudo igual. Reinaldo e Andrei Girotto deram espaço para o levantamento e Aguirre emendou de primeira para empatar.

Por muito pouco, a virada não aconteceu aos 17, em mais uma bola que foi da ponta para o meio. Acosta ficou de frente para o gol, mas Artur Moraes cresceu para cima dele e evitou o segundo.

Se salvou a Chape nesse primeiro momento, aos 23 minutos, o goleiro não teve o que fazer. João Pedro derrubou Acosta dentro da área, e o árbitro marcou pênalti. Sand cobrou com categoria e colocou o time argentino na frente.

Mancini então fez duas substituições entre jogadores de características parecidas: Arthur e Túlio de Melo entraram para as saídas de Niltinho e Wellington Paulista, respectivamente. Mas, apesar das trocas e da necessidade de buscar o gol, o atual campeão da Copa Sul-Americana demonstrou pouco poder de fogo.

Quem voltou a balançar a rede foi o Lanús, aos 35 minutos. Em um "branco" de todo o sistema defensivo da equipe alviverde, Velázquez entrou livre na área e rolou para Acosta, que teve apenas o trabalho de completar para a meta.

Como aconteceu durante quase todo o jogo, nos instantes finais, a Chapecoense continuou insistindo em chute de longe. Aos 46, João Pedro arriscou e mandou para fora.


Ficha técnica:.

Chapecoense: Artur Moraes; João Pedro, Douglas Grolli, Nathan e Reinaldo; Andrei Girotto, Moisés Ribeiro (Osman) e Luiz Antônio; Niltinho (Arthur), Rossi e Wellington Paulista (Túlio de Melo). Técnico: Vagner Mancini.

Lanús: Andrada; Gómez, Herrera, Brahieri e Velázquez; Marcone, Martínez e Aguirre (Rojas); Silva (Pasquini), Acosta e Sand (Denis). Técnico: Jorge Almirón.

Árbitro: Enrique Cáceres (Paraguai), auxiliado pelos compatriotas Eduardo Cardozo e Juan Zorrilla.

Cartões amarelos: Osman, João Pedro e Rossi (Chapecoense); Herrera (Lanús).

Gols: Rossi (Chapecoense); Aguirre, Sand e Acosta (Lanús).

Estádio: Arena Condá, em Chapecó (Santa Catarina). EFE