Barcelona 6 x 1 PSG, pela Champions, teria sido diferente com ajuda do VAR?

Goal.com

Há cerca de três anos, o mundo do futebol se surpreendeu com uma das maiores viradas da história do esporte: depois do Barcelona perder por 4 a 0 para o PSG no primeiro jogo das oitavas de final da Liga dos Campeões, o clube consegueu reverter o resultado em casa, vencendo por 6 a 1, com direito a três gols nos últimos sete minutos de jogo.

E, com a TNT retransmitindo alguns dos grandes duelos da história da competição, já é certo que a virada do Barça aparecerá de volta nas telinhas de todo a Brasil.

A partida, que ficou conhecida como "La Remontada", é uma das mais famosas dos últimos tempos, não só da Liga dos Campeões, mas de todo o mundo da bola. O duelo contou com um Neymar "fantástico", que chamou a responsabilidade, e com um Sergi Roberto que marcou o seu nome na história do Barcelona, marcando o sexto gol, decisivo para a classificação dos catalães.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

No entanto, se o confronto acontecesse agora...o final provavelmente seria diferente.

Na Liga dos Campeões de 2018-19, a Uefa introduziu uma novidade que provavelmente mudaria a história daquele duelo: o VAR. 

Sem tirar o mérito da virada de Luis Suárez, Neymar, Sergi Roberto e etc., o confronto entre Barcelona e PSG ficou marcado também pelos erros de arbitragem do juiz alemão Deniz Aytekin. Relembre.

Os lances polêmicos

Mascherano de braços abertos...

No primeiro tempo, com o jogo ainda 1 a 0 para o Barcelona, jogadores e torcedores do PSG reclamaram muito de um possível pênalti de Mascherano.

O defensor argentino pula de braços abertos para tentar interceptar um cruzamento de Draxler, a bola desvia na sua mão e não vai para a área. Com as regras atuais do futebol, fica difícil imaginar que este pênalti não seria marcado se o VAR já existisse.

O primeiro pênalti para o Barcelona

Com o jogo 2 a 0 para o Barça no começo do segundo tempo, a virada parecia mais possível do que nunca.

Aos 50 minutos, Neymar foi lançado para invadir a área, mas Meunier tomou a frente do brasileiro. No entanto, o belga tropeçou, e acabou derrubando o brasileiro com sua cabeça ao cair. Lionel Messi cobrou e ampliou: 3 a 0 Barcelona.

Mesmo que o VAR não anulasse o pênalti, é um lance interpretativo, e muitas pessoas afirmam que foi que Neymar que provocou o contato com a cabeça de Meunier. No mínimo, é passível de revisão.

Até Mascherano admitiu

Mesmo depois dos lances polêmicos, o PSG conseguiu marcar com Cavani, o que forçava os catalães a marcarem mais três gols (o que acabou acontecendo).

Assim, com 3 a 1 no placar, o Barcelona se mandou pro ataque, e deu muito espaço nos contra-ataques. Em um deles, Di María ficou cara-a-cara com Ter Stegen e chutou para fora, depois de ser tocado por Mascherano.

Em entrevista, o próprio Mascherano admitiu ter feito o pênalti em seu colega de seleção argentina.

O golpe fatal

Aos 88 minutos, o Barcelona ampliou a vantagem, mas ainda estava distante do resultado: precisaria furar duas vezes a defesa do PSG em quase cinco minutos.

Três minutos depois, aconteceu o golpe fatal e talvez o lance mais reclamado pelos franceses: aos 91, Luis Suárez foi lançado dentro da área do PSG, mas não alcançaria a bola. Marquinhos toca no uruguaio, que desaba, pedindo pênalti, concecido por Aytekin. Difícil imaginar que o VAR não revisasse a marcação.

Neymar pediu pra bater, marcou o quinto gol, e o final todos já sabem: Sergi Roberto apareceu na área para marcar o sexto e classificar os catalães.

Mesmo com todas as conjecturas, o resultado não muda: no final das contas, o Barcelona despachou o PSG num dos maiores duelos da história do mata-mata da Liga dos Campeões. No entanto, se fosse alguns depois anos, a partida provavelmente teria um final muito menos dramático para os francesces. O que você acha?

Leia também