Barça está usando táticas sujas de transferência ao extremo

Clube catalão mira contratações de Ángel di Maria e Seri para fortalecer seu elenco

É um dos piores segredos do futebol: negociar com jogadores, antes de falar com os times, é contra as regras, mas acontece o tempo todo. Nesta janela de contratações, porém, o Barcelona tem levado essa prática ao extremo.

O caso mais famoso desse tipo de prática aconteceu em 2005, quando Ashley Cole estava no Arsenal e foi flagrado em um encontro clandestino com José Mourinho, técnico do Chelsea na época. Isso gerou repercussão e uma multa para o ex-lateral.

Atualmente esse tipo de punição não existe mais e praticamente todas transferências acontecem do mesmo jeito: primeiro os times entram em contato com o jogador ou os empresários dele. Depois o clube fica sabendo ou é procurado.

Basta ver o que aconteceu com Neymar: primeiro, ao ir para o Barcelona, ele acertou até valores de comissão que seriam pagos ao pai do jogador. Depois, na recente transferência para o Paris Saint-Germain, tudo indica que houve uma negociação longa, entre o pai e o clube, antes das primeiras informações serem divulgadas. E o Barcelona só ficou sabendo pela imprensa.

E o time catalão não é vítima. Nesta temporada, tentou contratar Marco Verratti com a tática suja. Não deu certo. Buscou também Theo Hernandez e Dani Ceballos, que foram para o Real Madrid, outro clube que usa a mesma prática. 

Os clubes espanhóis fazem a mesma coisa: tentam convencer o jogador que é "agora ou nunca". Dizem que esse é o único jeito dos jogadores irem para lá: forçando a transferência, pedindo para o clube liberá-los.

De acordo com Steven Gerrard, ídolo do Liverpool, isso funciona especialmente com jogadores sul-americanos: "os jovens que chegam da América do Sul sempre têm o sonho de jogar no Barcelona. E eles ficam em pânico quando pensam que essa chance pode não aparecer novamente. Eu conheço o Coutinho, não é uma pessoa má. Ele não quer causar uma guerra para sair. Mas ele tem um contrato, e o clube fez ele ser o que é", defendeu o ex-jogador.

O outro alvo do Barça, Dembélé, foi além: chegou a faltar em um treino sem dar explicações para ninguém. É claro que quer forçar a transferência. Agora, tanto ele quanto Coutinho, se não forem para o Barcelona, terão que recontruir as relações com os clubes e os torcedores, pois já ficaram bastante desgastadas.

Como o Real Madrid já fez bastante no passado, o Barcelona está usando a mídia para finalizar essas transferências, na esperança de que a vontade dos jogadores tenha mais poder do que tudo. No entanto, não está deixando a imagem do clube limpa e nem há garantias de que tudo vai dar certo.