Barça consegue terceira vitória contra Dínamo de Kiev desfalcado devido à covid-19

·2 minuto de leitura
O craque do Barça, Lionel Messi, disputa a bola com o zagueiro do Dínamo de Kiev, Illia Zabarnyi, na Liga dos Campeões em 4 de novembro de 2020 em Barcelona
O craque do Barça, Lionel Messi, disputa a bola com o zagueiro do Dínamo de Kiev, Illia Zabarnyi, na Liga dos Campeões em 4 de novembro de 2020 em Barcelona

O Barcelona conseguiu sua terceira vitória seguida na Liga dos Campeões nesta quarta-feira ao vencer o Dínamo de Kiev por 2 a 1, equipe que chegou ao Camp Nou quase totalmente desfigurada com até nove desfalques após testes positivos para o coronavírus.

Um pênalti de Lionel Messi aos 5 minutos e uma cabeçada de Gerard Piqué (65) garantiram os três pontos para o Barça. Já no segundo tempo (75), Viktor Tsygankov diminuiu para 2-1.

Depois de duas vitórias sobre Ferencvaros e Juventus, este novo triunfo mantém o Barcelona confortavelmente no topo da tabela do Grupo G assim que o primeiro turno terminar, com 9 pontos, três a mais que a Juventus, que goleou os húngaros por 4 a 1.

Longe de fazer uma partida brilhante, o Barcelona sofreu contra uma equipe que só pôde contar com o mínimo de 13 jogadores da lista A, indispensável para que o jogo não fosse adiado.

Com seu treinador Ronald Koeman desesperado no banco, os catalães foram pressionados em algumas ocasiões, em que contou com as defesas do goleiro alemão Marc André Ter Stegen, providencial após dois meses de ausência devido a uma lesão.

Ansu Fati, a pérola de 18 anos do time do Barça, participou dos dois gols. No primeiro ele tabelou com Messi, que foi derrubado por Denys Popov. O argentino não falhou diante do goleiro Ruslan Neshcheret.

- Ter Stegen salvador -

Um minuto depois, o novo lateral americano Sergiño Dest tocou para Pedri concluir e o goleiro desviou para o travessão. O jovem de 17 anos correspondeu novamente às expectativas de Koeman, que voltou a escalá-lo como titular.

Sem força e frágil na defesa, o Barcelona sofreu em muitas oportunidades. Assim que a segunda etapa começou (47), uma cabeçada de Tomasz Kedziora foi anulada pelo árbitro porque no cruzamento de Vitaliy Tsygankov a bola havia saído.

Em seguida, Ter Stegen tirou milagrosamente com o pé (53) diante de Vladyslav Supriaga, que havia superado o holandês Frenkie De Jong, novamente escalado como zagueiro central.

Mas depois de uma grande falta batida por Messi defendia em grande estilo por Neshcheret (58), veio o segundo gol do Barça.

Em uma jogada que o argentino começou pela direita, a bola acabou na esquerda, onde Fati deu um bom passe para Piqué mandar para o fundo da rede.

Faltando quinze minutos, veio o gol ucraniano. Em um cruzamento, Ter Stegen desviou uma tentativa de Benjamin Verbic. Atento, Tsygankov finalizou com tranquilidade.

Os ucranianos, que deram sete chutes e cobraram oito escanteios, continuaram a pressionar o Barcelona que não apresentou um grande futebol, longe daquele que um candidato ao título deveria mostrar.

pm/mcd/aam