Bando de Loucos: Mil coelhos

Dentre todas as características de Fábio Carille, confesso que uma me espanta bastante. Eu não sei se o cara é iluminado ou se é perspicácia mesmo, mas o fato é que Carille consegue resolver ou desafogar o jogo com qualquer atleta que desejar. Domingo, mais uma vez, contra o São Paulo.

Por mais que sejam limitados, rodada após rodada, Carille parece que lida com uma cartola de mágico com mil coelhos dentro. Mesmo que o atleta em questão passe muito longe de ser um primor técnico ou tático, basta Carille colocar o mesmo para aquecer (ou para treinar de titular) e pronto: o cara entra e resolve o jogo. Ou ajuda bastante para que um companheiro resolva ou evite o revés.

Kazim Corinthians Luverdense Copa do Brasil 16032017


(Foto: © Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Foi assim com Kazim Richards. O turco desafogou o ataque, resolveu partidas contra Vasco e Audax e ainda blindou Jô, para que o mesmo voltasse a brilhar nos clássicos (falamos mais deste caso na coluna da semana retrasada). Brilhou e conquistou a Fiel.

Depois foi a vez de Maycon (que fez o Corinthians voltar a fazer um gol de falta) e Arana. O primeiro, preenchia uma lacuna difícil de encontrar em 2016. O homem que carregava a bola, tanto na defesa como para o ataque. O segundo, para substituir Uendel e Moisés. Nas duas posições, o Corinthians teve um ganho.

Nas pontas, Léo Jabá. Ok, Jabá ainda não fez gol. Mas seu físico, preenchendo lacunas e voltando para recompor, obrigou os pontas subirem o nível de competitividade para voltarem ao time.

Até porque, surgiu Clayton e Pedrinho no cenário. O primeiro, trocado por Marlone no Atlético Mineiro. O segundo, subiu e brilhou. Titular até no Morumbi domingo.

Pedrinho Corinthians Ferroviaria Paulista 19032017


(Foto: © Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians)

Na zaga, Léo Santos. Ao substituir Balbuena, a jóia do Sub-17 entra e faz o gol no Moisés Lucarelli, como se fosse um centroavante. Noção de dominar uma bola, matar, driblar e chutar. Não é a toa que o Real Madrid está de olho no garoto.

No meio de campo, Paulo Roberto. A contratação mais contestada atuou no Moisés Lucarelli semanas atrás e deu trabalho para William Pottker. Acertando passes e lançamentos, Paulo Roberto foi dono da situação em Campinas, surpreendendo muitos.

Muitos nomes. Muitas situações.

Algumas promessas com um potencial imenso. Mas nenhum super-astro.

Peças pontuais sim. Mas com uma capacidade alta de surpreender pela frieza e coragem de Carille.

Fabio Carille Caldense Corinthians Copa do Brasil 08022017


(Foto: © Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)

Ou seria mágica ?

Carille sabe muito bem o que está fazendo.

Só não me pergunta como. Existem mil coelhos em sua cartola futebolística.