Baixar intensidade contra times menores pode gerar problemas, diz francês Dembélé

Ousmane Dembélé durante treino com a seleção da França no Catar

Por Julien Pretot

DOHA (Reuters) - A derrota da Alemanha para o Japão, um dia depois que a Arábia Saudita conquistou uma surpreendente vitória sobre a Argentina na Copa do Mundo do Catar, mostra que não pode haver espaço para complacência contra as chamadas "equipes pequenas", disse o atacante francês Ousmane Dembélé nesta quarta-feira.

O Japão, como a Arábia Saudita na terça-feira, saiu atrás do placar para vencer a Alemanha de virada em um final de jogo frenético pelo Grupo E, gerando a segunda grande zebra do Mundial do Catar depois de menos de três dias completos de competição.

"Huh? Oh! Sim?", disse Dembélé ao ser informado sobre o resultado da Alemanha contra o Japão em uma entrevista coletiva no centro de treinamento da França.

O jogador de 25 anos, que com os atuais campeões evitou tal destino ao vencer a Austrália por 4 x 1 na terça-feira, disse que as grandes seleções precisam ser intensas do início ao fim, independentemente do adversário.

"No futebol moderno não há equipes pequenas", disse ele.

"Se você baixa a intensidade, você está em apuros. Agora todos trabalham muito tecnicamente, taticamente. Vimos como a Arábia Saudita era incrível, do ponto de vista tático", disse.

"Também vimos isso nós mesmos contra a Dinamarca", afirmou.

A França sofreu duas derrotas consecutivas contra a Dinamarca na Liga das Nações de 2022, por isso não há nenhuma chance de que eles tomem nada como certo quando as duas equipes se encontrarem novamente no Grupo D da Copa do Mundo no sábado, mesmo que os dinamarqueses tenham sofrido em sua estreia no torneio contra a Tunísia, quando empataram em 0 x 0.

"Não vamos descansar sobre nossos louros, já estamos totalmente concentrados no jogo contra a Dinamarca", disse o zagueiro Dayot Upamecano.

"É super importante começar bem nestas competições, mas agora a Dinamarca nos espera. Sabemos que eles são uma grande equipe, temos lutado contra eles recentemente, por isso temos que tentar encontrar as soluções para vencê-los desta vez."

A França terá de fazer isso sem o lateral-esquerdo Lucas Hernandez, que foi cortado do torneio com uma lesão do ligamento cruzado e será substituído na escalação inicial por seu irmão Theo --um jogador com uma mentalidade mais ofensiva.

O treinador Didier Deschamps espera que nada aconteça com o irmão mais velho Hernandez, já que ele não tem outro lateral-esquerdo de origem no Catar.

A França lidera o Grupo D com três pontos, dois à frente da Dinamarca e da Tunísia, com um cada, enquanto a Austrália tem zero.