Bélgica: Destaque em 2018, Hazard chega à Copa do Mundo do Qatar longe de sua melhor fase


Terceira colocada em 2018, a Bélgica vai para sua terceira Copa do Mundo consecutiva com sua 'ótima geração'. Nas duas participações anteriores dos belgas no Mundial, especialmente em 2018, a grande referência técnica da equipe era Eden Hazard. Atualmente reserva no Real Madrid, o meia-atacante não vive a melhor fase da carreira


Contratado a peso de ouro pelos merengues, atualmente Hazard não chega a ser nem a primeira opção entre os reservas para Carlo Ancelotti. Mesmo assim, Hazard segue sendo prestigiado na Bélgica. Roberto Martínez, técnico da seleção belga, tem em Hazard o seu camisa 10 e seu capitão.

Mas apesar da moral recebida pelo técnico do seu país, Hazard está longe de estar na mesma forma técnica que em anos anteriores, principalmente se comparado ao seu desempenho do início da formação da 'ótima geração belga' e da Copa de 2018.

+ Reserva no Real Madrid, Eden Hazard fala sobre titularidade na seleção e 'última chance' da Bélgica

COMEÇO COM STATUS ALTO
Hazard foi um dos principais destaques do futebol europeu no início da década, quando após brilhar pelo Lille, foi contratado pelo Chelsea em 2012, logo após o clube ter sido campeão europeu. Junto a Lukaku e um jovem De Bruyne, Hazard conseguiu conduzir a Bélgica à sua primeira Copa em 12 anos, sendo a principal estrela após duas temporadas no Chelsea.

No Mundial de 2014, porém, não conseguiu apresentar a melhor de suas versões. A Bélgica caiu nas quartas de finais para a Argentina e o camisa 10 deixou a Copa sem marcar nenhum gol.

+ Jogadores da Bélgica se apresentam e fazem o primeiro treino com a presença do Rei

Depois, na Euro de 2016, a Bélgica entrou com uma nova expectativa para surpreender. Naquela época, Hazard já tinha ganho uma Premier League com o Chelsea em 2015, mas vale acrescentar que o protagonismo de De Bruyne e Lukaku também cresceu junto aos níveis dos dois em seus clubes.

Titular em todos os jogos, Hazard só conseguiu marcar um gol na goleada por 4 a 0 sobre a Hungria, mas a Bélgica decepcionou, sendo eliminada de maneira surpreendente para País de Gales nas quartas de finais.

+ Marcos Uchôa reforça o LANCE!: veja as movimentações da imprensa esportiva em 2022

2018: A MELHOR VERSÃO
Na Copa da Rússia, Hazard e seus companheiros tinham na competição uma última oportunidade para provar do que a talentosa geração belga era capaz. Com Roberto Martinez no comando, a Bélgica chegou no torneio com mais maturidade e equilíbrio, sendo um das grandes favoritas ao título.

Hazard - Bélgica x Japão
Hazard - Bélgica x Japão

Hazard em campo pela Bélgica na Copa de 2018 (Foto: Odd Andersen / AFP)

E no desempenho individual, Hazard apresentou a melhor de suas versões. O camisa 10 marcou apenas dois gols, sendo um contra a Tunísia na fase de grupos e um contra a Inglaterra na decisão do terceiro lugar, mas ainda assim teve atuações melhores e brilhou ao ser o maestro da equipe na vitória contra o Brasil nas quartas de final.

+ Astro do PSG é cortado da França: veja jogadores que vão perder a Copa do Mundo

A QUEDA
Depois da Copa do Mundo, Hazard seguiu brilhando em sua última temporada no Chelsea, sendo crucial na conquista da Europa League sob a liderança de Maurizio Sarri. Em julho de 2019, assinou com o Real Madrid no que parecia ser um passo a frente na carreira, mas que acabou por ser um ponto de declínio.

Hazard foi uma contratação a peso de ouro para os merengues, sendo consideraddod por muitos como o substituto ideal para assumir o protagonismo deixado por Cristiano Ronaldo. Vale lembrar que o Real Madrid pagou 115 milhões de euros ao Chelsea e lhe deu a lendária camisa 7.

+ Olho neles! Veja algumas promessas que podem surpreender e desequilibrar na Copa do Mundo

Contudo, desde que chegou à Espanha, o jogador não teve o mesmo rendimento, até mesmo chegou a estar fora de forma e acima do peso. Ao todo, em quatro temporadas no Madrid, Hazard jogou apenas 72 vezes e marcou apenas sete gols e deu 11 assistências.

Hazard - Treino - Real Madrid
Hazard - Treino - Real Madrid

Hazard durante treinamento no Real Madrid (Foto: ANTONIO VILLALBA / REAL MADRID)


Só em sua primeira temporada, Hazard fez 22 jogos, marcou um gol e deu sete assistências, além de ter ficado no banco de reservas por diversas vezes. Em 2020/21, ele já não era mais unanimidade entre os titulares e em 21 jogos marcou quatro vezes e deu passe para um gol.

Mesmo em baixa no Real Madrid, Hazard foi convocado pela Bélgica para a Euro de 2020, mas não foi titular absoluto, sendo parte dos 11 iniciais apenas contra a Finlândia, na fase de grupos da competição.

Na temporada atual, Hazard tem apenas seis jogos com a camisa merengue e um gol marcado, mas apesar da brusca queda de rendimento pelo seu clube, o jogador é capitão e titular da seleção belga. Em entrevista coletiva, o camisa 10 analisou sua forma recente e afirmou que essa Copa do Mundo pode ser a 'última chance' com a Bélgica.

- Mantenho o alto astral. De mim, depende de adaptação, porque tive meses difíceis, em que não podia manter o ritmo de jogo. Agora, tenho que mostrar que ainda posso fazer isso. Há pessoas que duvidam de minha qualidade, mas eu não duvido. Acho que voltaremos a vê-la em campo. Sabemos que será complicado, mas vamos dar tudo de nós no campo. É a última chance que temos de mostrar que podemos conquistar algo com essa geração - disse Hazard.

Mesmo sem a grife de 2018, Hazard ainda é um jogador de destaque em meio aos outros craques da Bélgica e pode ser um trunfo de Roberto Martínez em busca de um resultado melhor que o terceiro lugar na Rússia. Ao lado de nomes conhecidos como Thibaut Courtois, Jan Vertonghen, Kevin De Bruyne e Romelu Lukaku, Hazard tem tudo para voltar a desempenhar um grande futebol e ser peça-chave da 'última dança' de uma geração tão promissora.