Auxiliares recomendam que Bolsonaro não se envolva na prisão de Daniel Silveira, aliado do presidente

·1 minuto de leitura
Deputy Daniel Silveira, who was elected to his first term representing the Social Liberal Party from where President Jair Bolsonaro mounted his campaign, points to his phone showing an image spoofing the jailed President former President Luiz Inacio Lula da Silva, during a swearing-in ceremony in the Chamber of Deputies, in Brasilia, Brazil, Friday, Feb. 1, 2019. (AP Photo/Eraldo Peres)
Deputado federal Daniel Silveira foi preso na noite de terça-feira, 16 (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

Preso na noite de terça-feira, 16, Daniel Silveira (PSL-RJ) é apoiadores de primeira ordem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ainda assim, auxiliares de Bolsonaro acreditam que o presidente não deva se envolver na prisão do parlamentar. A informação foi revelada pelo jornal O Globo.

Daniel Silveira foi preso por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. O motivo foi a publicação de um vídeo em que o parlamentar ataca os ministros do STF e insinua que os agredirá fisicamente.

Na decisão, Moraes classificou a prisão como feita em flagrante e, por isso, pode ser feita. Caso não fosse, o parlamentar seria protegido pelo foro privilegiado.

Leia também:

Bolsonaro soube da prisão de Silveira depois que tinha ido dormir. O presidente passou o feriado de Carnaval em Forte Marechal Luz, em São Francisco do Sul, Santa Catarina. Segundo o Globo, membros do governo ficaram surpresos com a prisão.

Ao relatar o ocorrido ao presidente da República, pessoas próximas a Bolsonaro recomendaram que ele não interferisse para evitar um novo conflito com o Supremo Tribunal Federal. De acordo com fontes ouvidas pelo jornal, até mesmo uma pessoa próxima a Bolsonaro condenou os ataques que Silveira fez aos ministros da Corte.

Daniel Silveira é investigado pela organização de atos antidemocráticos e também no inquérito que apura a divulgação das fake news contra ministros do Supremo.