Auxiliar destaca ‘luta até o fim’ e explica desfalques do Palmeiras em empate com Santos

LANCE!/NOSSO PALESTRA
·2 minuto de leitura


Mesmo sem somar os três pontos, a comissão técnica do Palmeiras aprovou a luta dos jogadores para superar os desfalques e deixar a Vila Belmiro com o empate contra o Santos, neste sábado (5). No clássico, além dos desfalques dentro de campo, o Verdão também não contou com seu treinador, Abel Ferreira, infectado com Covid-19.

Após a partida, seu auxiliar, João Martins, destacou o espírito de luta e explicou a ausência de Rony e Gustavo Scarpa na equipe titular. Segundo Martins, o desgaste físico pesou na escolha de poupar o atacante e também foi sentido por alguns jogadores que foram para o jogo. O auxiliar, entretanto, destacou que o Palmeiras apenas lida com isso porque está vivo nas três competições.

- Só falamos do desgaste físico porque estamos em todas as competições, jogamos de três em três dias, não é sempre fácil. Temos tido sempre desfalques, expulsões, Covid, e isso só acontece porque temos jogos de três em três dias. Nesse ano atípico temos que estar preparados para isso - afirmou.

>> CONFIRA A TABELA ATUALIZADA DO BRASILEIRÃO


Apesar dos desfalques, Martins deu parabéns ao grupo pela resiliência durante a partida.

- Dar os parabéns à equipe por lutar até o fim, mesmo depois jogando com dez, soube estar junta, sofrer junta e parabéns a todos - disse.

Além de Danilo, Gabriel Menino e Gustavo Gómez, suspensos, o Palmeiras também não contou com Patrick de Paula, lesionado. Outros desfalques de última hora foram Rony e Gustavo Scarpa.

Segundo Martins, a ausência do camisa 14 ocorreu em razão do protocolo utilizado pela CBF para lesões na cabeça. Como Scarpa teve uma concussão na partida contra o Delfín, é obrigatório que ele permaneça em repouso por três dias:

- Fomos obrigados a cumprir esse protocolo, mas amanhã, em princípio, já começa a trabalhar novamente com a equipe - afirmou.

Rony, por sua vez, foi poupado em razão do desgaste físico das partidas. A comissão técnica escolheu deixar ele de fora pela segunda partida para evitar que ele se lesione.

- Temos que gerir, todos os jogos são importantes, temos que medir os riscos com o Núcleo de Saúde e Performance. São decisões difíceis, mas tínhamos que tomar atitudes para não perder o jogador por mais tempo. Foi uma decisão de todos - explicou.

O Verdão volta a campo na próxima terça-feira (8), quando inicia a fase de quartas de final da Libertadores da América contra o Libertad, do Paraguai. A bola rola às 21h30, no estádio Defensores del Chaco.