Autuori dispara contra jogos do Carioca não serem suspensos: "não faz sentido"

Goal.com

Não tem como fugir do assunto. E exatamente por isso as perguntas sobre a pandemia do coronavírus Covid-19 também dominaram a entrevista coletiva de Paulo Autuori, treinador do Botafogo, nesta sexta-feira (13).

O Alvinegro enfrenta o Bangu, neste domingo (15), no Estádio Nilton Santos, pelo Campeonato Carioca. A partida, assim como passa a acontecer com todas do certame estadual, será disputada com portões fechados. Ou seja: sem torcedores.

Perguntado sobre o assunto, Autuori questionou por que os jogos também não foram suspensos.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Jogadores e comissão estão imunes, são de raças diferentes? Não faz sentido. Se evita para os torcedores, evite para os outros também. Parece que o profissional de futebol é uma raça que está imune a qualquer problema”, disse o comandante.

“Todos nós ficamos sem saber se vai haver ou não os jogos. Tem o jogo do Bangu, depois a Copa do Brasil, mas temos que esperar uma tomada de decisão geral. Isso transcende o futebol. Às vezes parece que o futebol fica alheio, e não é isso. Logicamente que afeta e preocupa. Qualquer cidadão tem algum nível de preocupação. Temos que pensar o futebol dentro desse contexto”.

“Se parar, tem que parar tudo. Se tiver que mudar o calendário, que mude. Não houve Copa do Mundo em tempos de guerra. Hoje, não há guerra entre povos, ainda bem, mas vivemos uma guerra contra um vírus. Precisamos de medidas responsáveis”, completou.

Autuori também confirmou a estreia de Keisuke Honda. O japonês, principal contratação do Botafogo para a temporada, levou uma multidão de alvinegros ao aeroporto e para a sua apresentação oficial. Entretanto, quis o destino que a sua primeira partida com a Estrela Solitária ao peito seja exatamente a com portões fechados.

No final da entrevista, e seguindo o protocolo de prevenção, Autuori fez questão de lavar as mãos com álcool em gel.

Leia também