Autoridades do tênis destinarão US$ 6 milhões para ajudar cerca de 800 jogadores

AFP
Os órgãos do tênis mundial anunciaram nesta terça-feira que destinarão US$ 6 milhões ao fundo para ajudar os jogadores afetados pela crise do coronavírus
Os órgãos do tênis mundial anunciaram nesta terça-feira que destinarão US$ 6 milhões ao fundo para ajudar os jogadores afetados pela crise do coronavírus

Os organismos que comandam o tênis mundial confirmaram nesta terça-feira que destinarão mais de seis milhões de dólares ao seu novo fundo comum para ajudar cerca de 800 jogadores afetados pela suspensão da temporada devido à pandemia de COVID-19.

O lançamento deste Programa de Ajuda a Jogadores - uma iniciativa conjunta entre ATP (circuito masculino), WTA (circuito feminino), ITF (Federação Internacional) e os quatro Grand Slams - foi anunciado no final de abril.

Nesta terça-feira, a ATP detalhou em um comunicado que o programa arrecadou "mais de seis milhões de dólares" e "se concentrará em um total de aproximadamente 800 jogadores ATP e WTA, de simples e duplas que precisam de apoio financeiro".

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"A elegibilidade para o programa de ajuda aos jogadores levará em conta a classificação de um atleta assim como os ganhos anteriores em prêmios em dinheiro", afirmou o comunicado, esclarecendo que o montante será dividido "igualmente entre homens e mulheres".

O fundo tentará aumentar sua assistência por meio de arrecadações adicionais provenientes de iniciativas como leilões, jogos virtuais de tênis e doações de jogadores que, devido à sua posição no ranking, não precisam recorrer a esses subsídios.

A expansão global do novo coronavírus paralisou o calendário do tênis de 2020, forçando a suspensão de dezenas de torneios ATP e WTA desde março. Roland Garros foi adiado para o final de setembro e início de outubro, enquanto Wimbledon foi diretamente cancelado.

A suspensão dos torneios durará, pelo menos, até o próximo dia 13 de julho, disse a ATP.

Essa situação gerou problemas econômicos entre os jogadores, especialmente aqueles que ocupam posições baixas nos rankings e não têm patrocinadores garantidos, assim como entre treinadores e outros funcionários desse esporte.

Leia também