Autoridades do Catar pedem desculpas por ameaçar equipe de filmagem dinamarquesa na Copa do Mundo

Loga da Copa do Mundo de 2022 no Catar

DOHA (Reuters) - O Comitê Supremo do Catar disse que pediu desculpas depois que uma equipe de filmagem dinamarquesa foi ameaçada por seguranças ao vivo enquanto realizava uma transmissão na capital Doha antes da Copa do Mundo.

O repórter da TV2 Rasmus Tantholdt falava durante uma transmissão ao vivo quando foi abordado por seguranças que apareceram em um carro de golfe próximo ao recém-inaugurado Chedi Hotel, em Katara Cultural Village.

Na filmagem, que se tornou viral nas redes sociais, Tantholdt é visto protestando com os seguranças, exibindo seu credenciamento antes de acusá-los de declarar que querem quebrar o equipamento da câmera.

Uma declaração do Comitê Supremo disse que a equipe de transmissão dinamarquesa foi "interrompida por engano" durante uma transmissão ao vivo.

"Após a inspeção do credenciamento válido do torneio e da permissão de filmagem da equipe, um pedido de desculpas foi feito à emissora pela segurança no local antes que a equipe retomasse suas atividades."

"Desde então, os organizadores do torneio falaram com o jornalista e emitiram um aviso a todas as entidades para respeitarem as licenças de filmagem em vigor para o torneio."

Tantholdt também foi pego na câmera perguntando: "Você convidou o mundo inteiro aqui. Por que não podemos filmar?"

A decisão de conceder ao Catar os direitos de sede da Copa do Mundo de 2022 foi marcada por controvérsias, incluindo alegações de corrupção e violações dos direitos humanos, desde que foi anunciada pela primeira vez há 12 anos, garantindo que a forma como o país anfitrião trata os visitantes será fortemente examinada.

(Reportagem de Peter Hall)