Autor do gol da vitória histórica da Chape sobre o Atlético Nacional, zagueiro celebra: 'Não tem preço'

Alexandre Guargilia

Não há a menor dúvida de que a noite da última terça-feira ficará marcada na memória de todo amante do futebol, mas principalmente de todos aqueles que vivem em Chapecó. O triunfo da Chapecoense por 2 a 1 sobre o Atlético Nacional, na partida de ida da Recopa Sul-Americana, foi apenas um detalhe em meio a tantas homenagens. No entanto, para o zagueiro Luiz Otávio, a emoção foi em dobro. Além da experiência única, marcou o gol que deu a vitória ao seu time, após sair do banco de reservas.

- Foi espetacular! Passou um filme na minha cabeça, lembrei da minha família. A explosão da torcida, isso é gratificante. Um jogo cercado por todos os ingredientes, uma recepção sensacional, partida disputada, estádio lotado. Ainda ajudei com um gol. Não tem preço - disse Luiz Otávio em entrevista ao LANCE!.

O zagueiro, que estava no Luverdense no ano passado, chegou ao clube neste ano ao lado de tantos outros reforços contratados na reformulação do time após a tragédia na Colômbia. Mesmo que não fizesse parte do grupo, Luiz Otávio, assim como seus novos companheiros, absorveram a herança daqueles que se foram. Não haveria como não ser tomado pela emoção.

- Foi uma comoção geral, a nossa chegada ao estádio, a torcida esperando nosso time... É diferente de tudo que já vivi na minha vida. Nosso grupo é muito bom, tem qualidade, todos se respeitam. A galera vem se entrosando a cada dia, o clima no vestiário é muito bom. Existe uma sintonia que é difícil explicar. É um clube diferente. No dia a dia, estamos nos fortalecendo mais - explicou.

Apesar de ter marcado um gol decisivo para história do confronto e, talvez, do clube, Luiz Otávio prefere não trazer os méritos somente para si. Segundo o zagueiro, que entrou em campo no intervalo para substituir Douglas Grolli, machucado, o gol foi de todo o conjunto.

- Dentro de uma partida desse nível, pensamos em tudo. Meu objetivo é defender, mas quando vou pra área em lances de bola parada, tudo pode acontecer. O Reinaldo fez um excelente cruzamento e fui feliz na leitura da jogada. Isso é muito treinamento. É um gol de todo o grupo - valorizou.

A amizade da Chapecoense e do Atlético Nacional, após os eventos do ano passado, é algo amplamente difundido em todo o mundo. Ficou ainda mais claro na homenagem prestada aos jogadores do clube colombiano na chegada ao Brasil. No entanto, dentro de campo, a disputa pelo objetivo deixou a amizade de lado, sem se esquecer do respeito.

- Foi uma partida franca, com muito respeito entre as equipes. Quando o juiz apita é cada um defendendo o seu. Na minha visão foi tudo normal. Um jogo digno de uma final - explicou o zagueiro.

Embora a Chapecoense tenha dado um grande passo para o título, Luiz Otávio sabe da qualidade do adversário que enfrentará na Colômbia e prega cautela, mas o assunto Recopa terá de esperar um pouco, já que a partida de volta será daqui um mês, no dia 10 de maio. Enquanto isso, o foco é no estadual e na Copa Libertadores.

- Conquistamos uma vantagem, mas não tem nada definido. Vai ser pedreira. É o atual campeão da Libertadores, um time de muita qualidade. Temos um vantagem, mas não podemos pensar nisso. Nosso grupo vem demonstrando que pode alcançar os objetivos. Em relação à viagem, a galera está tranquila, mas vamos pensar nisso mais para frente. Vamos buscar primeiro manter a liderança do estadual, contra o Metropolitano neste domingo - finalizou.

Antes da segunda partida do confronto contra o Atlético Nacional, a Chapecoense ainda terá pelo menos três compromissos pelo estadual, além de três partidas pela Copa Libertadores.



















E MAIS: