Australianos se arriscam para resgatar coalas de incêndios

Voluntários trabalham no resgate de coalas (Foto: Reprodução/BBC)
Voluntários trabalham no resgate de coalas (Foto: Reprodução/BBC)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Incêndios já afetam área equivalente à metade de Sergipe

  • Fogo já destruiu 460 casas e matou 4 pessoas

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Na terça-feira (19), a cidade de Sydney (Nova Gales do Sul, Austrália) amanheceu coberta de fumaça. Os incêndios florestais que vêm atingindo o leste do país já destruíram mais de 460 casas e causaram a morte de 6 pessoas. Algumas das principais vítimas das chamas são os animais silvestres – em especial, os coalas.

Apenas no estado de Nova Gales do Sul, onde autoridades já declararam estado de emergência, estima-se que 350 coalas tenham morrido neste mês como consequência do fogo. A temporada de incêndios florestais é um dos principais motivos que fazem a espécie ser classificada como vulnerável à extinção – outros são fatores como destruição de habitat e atropelamentos.

Leia também

Moradores da região tomaram para si a tarefa de proteger os coalas dos 50 focos de incêndio que ainda estão ativos no interior e na costa do estado. Voluntários montaram um hospital para cuidar dos animais feridos, e entram nas áreas onde o fogo já passou para resgatar os coalas sobreviventes.

O vídeo de uma mulher salvando um coala com o pelo chamuscado na terça-feira (19) viralizou nas redes sociais:

Em algumas regiões, cachorros treinados para farejar coalas estão ajudando nos resgates. De acordo com a rede de notícias CNN, alguns cães se guiam pelo cheiro da pelugem dos animais, enquanto outros procuram fezes. Os cachorros são capazes de guiar os voluntários para locais onde há coalas que precisam ser resgatados ou realocados.

O fogo já atingiu uma área de mais de 1 milhão de hectares, que equivale a metade do estado de Sergipe, ou seis vezes a área da cidade de São Paulo.

Leia também