Austrália quer reacender espírito de 2006 contra Dinamarca

Técnico Graham Arnold e atacante Mathew Leckie durante treino da seleção da Austrália para a Copa do Mundo do Catar

Por Nick Mulvenney

DOHA (Reuters) - A Austrália está procurando acender algo especial em um país onde o futebol muitas vezes ocupa um lugar secundário se classificando para as oitavas de final da Copa do Mundo do Catar em seu último jogo do Grupo D do torneio contra a Dinamarca na quarta-feira.

Faz 16 anos que uma geração dourada de jogadores conseguiu tirar a Austrália da fase de grupos da Copa do Mundo e o atacante Mathew Leckie disse esperar que a safra de 2022 possa produzir algo semelhante.

"Sempre acreditamos que podemos criar algo especial", disse Leckie em uma coletiva de imprensa nesta terça-feira.

"Quando os Socceroos se classificaram no grupo em '06 eu era um torcedor orgulhoso e agora temos a oportunidade de sermos os jogadores e fazer isso."

"Vimos como isso deixa as pessoas orgulhosas em casa. Portanto, estamos fazendo isso pelo país, por nós mesmos, por nossos amigos, por nossa família e isso é motivação em si", disse.

O jogo de bola redonda ocupa a quarta posição na preferência dos australianos, atrás do futebol australiano --uma modalidade própria do país-- e de duas variações do rúgbi.

No entanto, houve uma efusão de alegria na Austrália quando os Socceroos venceram a Tunísia por 1 x 0 para reivindicar sua primeira vitória em uma Copa do Mundo em 12 anos, no sábado.

O treinador Graham Arnold, que foi assistente de Guus Hiddink na campanha de 2006 na Alemanha, disse que um lembrete do que chegar à fase de mata-mata pode significar para o jogo estará sentado no vestiário da Austrália na quarta-feira.

"Eles tinham 10 anos de idade para ver aqueles caras fazerem o que fizeram em 2006. E aqueles caras foram a inspiração deles", disse ele

"Esse é todo o propósito... é sobre o jogo na Austrália... deixar um legado é enorme."

A Austrália precisa contrarias as expectativas e vencer os dinamarqueses para garantir um lugar nas oitavas de final, mas um empate seria suficiente se a Tunísia não conseguir vencer a França, já classificada, na outra partida do grupo.

Arnold foi o mais educado que pôde ao falar pouco sobre os dinamarqueses ou sobre as possibilidades de resultado, mas foi muito claro sobre uma coisa.

"Eu nunca treinei para jogar por um empate, é tudo uma questão de ganhar", disse ele.

"Em '06 conseguimos uma vitória e um empate, nossa ambição é conseguir duas vitórias e obter o máximo de vitórias em uma Copa do Mundo."

Arnold disse que a presença do lateral-direito Nathanial Atkinson, que desfalcou a equipe contra a Tunísia com uma lesão no tornozelo, ainda é dúvida, mas o meio-campista Ajdin Hrustic estará disponível para ser titular no Estádio Al Janoub.

"Podemos criar algo especial como a equipe de '06", afirmou Leckie.

"Mas ao dizer isso, lembro que quando ganhamos na outra noite, a primeira coisa que foi dita foi 'ainda não fizemos nada, porque ainda há outro jogo para jogar'. E sem um resultado amanhã, tudo isso não significa nada", acrescentou.