Augusto Fassina colhe frutos no comando do Atlético-GO sub-17 e destaca reinvenção do clube

·1 min de leitura


O Atlético-GO celebra a inédita classificação para a Copa Sul-Americana em meio ao desafio de lidar com uma folha salarial enxuta. Com apenas R$ 2 milhões de caixa, o Dragão ficou acima de grandes forças do futebol nacional na tabela, como São Paulo, Internacional e Santos, que têm folhas de R$ 12 mi, R$ 7,5 mi e R$ 7,2 mi, respectivamente.

O projeto desenvolvido pelo clube está presente em todas as categorias, inclusive no sub-17, comandado por Augusto Fassina. Com bom desempenho no estadual da categoria, o clube contou com quatro atletas formados na base no último Brasileirão.

- O clube vem se estruturando ano após ano. O projeto é excelente. Estamos colhendo frutos nas categorias de base e também no profissional como no último ano. Temos um CT incrível e o clube está se reinventando com um orçamento inferior ao das grandes potências. Mas ainda assim estamos brigando por grandes coisas nos últimos anos - disse o treinador.

Foram apenas três jogos na TV aberta, com cotas de R$ 3,6 milhões. Mas a nona colocação no último Campeonato Brasileiro garantiu aos cofres R$ 19,8 milhões e a histórica classificação para uma competição internacional, a primeira do clube.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos