Audiência na Justiça do Trabalho entre Cruzeiro e Fred é adiada

Valinor Conteúdo
LANCE!


A audiência na Justiça do Trabalho de Minas Gerais entre o Cruzeiro e o atacante Fred, que estava marcada para esta terça-feira, 3 de março, foi adiada.
A Justiça do Trabalho emitiu um despacho oficializando o adiamento, pois segundo o órgão, há novas exigência a serem cumpridas por Fred e sua defesa.

No despacho a Justiça Trabalhista pede que num prazo de 15 dias o autor da ação(Fred) aponte o valor do pedido observando o proveito econômico a ser obtido pelo reclamante e que corrija o valor da causa. A nova data da audiência ainda não foi marcada.

O que Fred cobra da Raposa


O centroavante, agora, ex-jogador da Raposa, cobra R$ 50 milhões de uma cláusula indenizatória no seu contrato, tendo como base o artigo 28 da Lei Pelé.
Além desse valor, Fred pede na sua ação contra o Cruzeiro mais R$800.000,00 de aviso prévio; R$ 800.000,00 de férias vencidas, referentes a 2019; 1/3 sobre as férias no valor R$ 266.666,67; multa de 40% sobre o FGTS que pode chegar a R$ 443.863,15; liberação dos depósitos do FGTS; salários atrasados dos meses de outubro, novembro , dezembro de 2019 e janeiro de 2020, além de diferenças relativas ao salário do mês de setembro, bônus e respectivas multas, no valor de R$ 5.463.331,83.

Também há uma cobrança de Fred de 13°salário de 2019, no valor de R$ 800.000,00 e o pagamento de Luvas não quitadas, acrescidas da multa contratual , que podem chegar a R$ 10.499.698,86.

No processo, Fred e sua defesa indicam que que o Cruzeiro é o responsável, único por quitar integralmente a rescisão contratual do atleta com o Atlético-MG, feita em 2017, no valor de R$ 10 milhões, apesar do jogador ser o réu na ação movida pelo Galo e que será julgada por uma corte arbitral ainda este ano, o que pode gerar um aumento no valor final da multa, pois pode acarretar juros e correções monetárias. O total da dívida do clube mineiro com o jogador pode chegar a R$ 75 milhões.











Como era o acordo de Fred com o Cruzeiro


Quando o Cruzeiro resolveu buscar Fred em 2017, quando jogava pelo Atlético-MG, a gestão do ex-presidente Wagner Pires de Sá e do seu vice de futebol, Itair Machado, acertaram com o jogador um salário de R$ 800 mil por mês, mais R$ 10 milhões em luvas e R$ 2.490.000,00, em 20 parcelas em direitos de imagem, além de bônus fixados por metas cumpridas.

As premiações de Fred eram “robustas”. Um exemplo de como o Cruzeiro se dedicava a atender ao jogador foi a premiação dada a ele no Mineiro de 2019. Fred recebeu R$ 400 mil pelo título e mais R$ 400 mil pela artilharia do torneio.

O clube celeste agia de forma generosa com Fred mesmo quando o atacante não jogava, caso da temporada 2018, quando ficou quase o ano todo parado, mas ainda assim teve direito de receber bônus pelo título do Campeonato Mineiro de 2018 e pela Copa do Brasil conquistado naquele ano, o que pode render mais R$ 400 mil do título estadual e R$ 800 mil da Copa do Brasil.

Segundo o advogado de Fred, José Eduardo de Resende, ainda faltam alguns passos para todo o processo se encerrar. Porém, o atacante já pode fechar com outro clube. Apesar da liberação judicial para acertar com outra equipe, o Fluminense, maior interessado na volta e Fred ainda está receoso e vai aguardar a rescisão definitiva para fazer uma proposta oficial e tentar a sua contratação.








Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também