Atuação contra o Confiança deixa lições e deve definir conceitos para a reta final do Vasco na Série B

·1 minuto de leitura


Na escalação, Fernando Diniz fugiu do que parecia óbvio: colocou Zeca no meio-campo. Certamente também por isso o primeiro tempo foi o pior do Vasco com o treinador que fez cinco jogos à frente do time no último domingo. Mas a evolução após o intervalo, e mesmo os problemas que apareceram são importantes fatores para a reta final do Cruz-Maltino nesta Série B do Campeonato Brasileiro.

Porque a improvisação não funcionou. Se novamente não tiver Andrey e Léo Jabá, a opção para composição do meio-campo precisará ser outra. E tais opções estão passando seladas num cavalo gritando por Riquelme e Gabriel Pec. O meia-atacante participou dos dois gols vascaínos e o lateral-esquerdo teve atuação soberba.

- Não ganharam pontos só nessa partida. Desde que cheguei, eles ganharam pontos todos os dias. O que me dá confiança para mantê-lo como titular (sobre Riquelme). O Pec ficou em tratamento de lesão no tornozelo (contraída no último jogo). Treinou na véspera para poder ficar, pelo menos, no banco - explicou o treinador após a vitória sobre o Confiança.

Isso sem contar o refinamento técnico e intensidade - mesmo aos 40 anos - que Nene dá ao time. Sem contar que as finalizações de Cano voltaram a entrar. São as bolas de segurança de um Vasco que precisa de ainda mais para se credenciar ao acesso.

-> Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Só não pode contar com a sorte. A defesa precisa se manter segura. Segura como por vezes não tem sido. O time levou um gol nos acréscimos de cada um dos dois primeiros jogos de Fernando Diniz. Desta vez foi mais cedo, mas também poderia ter custado caro. É preciso ter concentração o tempo todo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos