Robinho se 'atrasa', mas dá parabéns ao Santos; Diego reverencia clube

O Santos completou 105 anos na última sexta e parecia que ficaria sem mensagem de parabéns de Robinho, um dos maiores ídolos recentes do clube. Torcedores chegaram a cornetar a omissão do ídolo. Parecia... Na madrugada deste sábado, o atacante, hoje no Galo, surpreendeu e deixou uma mensagem na sua página no Facebook.

"Parabéns ao Santos por mais um ano de glória! Uma honra ter começado a minha história neste clube histórico! #santos #santastico #parabens #105", escreveu o atacante.

E Diego, parceiro de Robinho com a camisa do Santos 15 anos atrás, também postou uma mensagem para o clube:

"Parabéns ao Santos FC por mais um ano de existência. Eterna gratidão e respeito. Abraço a todos", escreveu o jogador no Instagram, acompanhado de uma foto sua com a camisa alvinegra.

Criados no Santos, Diego e Robinho foram alçados ao profissional em 2002 e foram destaques na equipe que encerrou a fila de 18 anos sem títulos importantes do Peixe. A conquista do Brasileirão de 2002 teve também Elano, Léo, Alex, entre outros.

Desde que deixou o Santos, em 2004, Diego nunca mais retornou ao clube, apesar de seu nome ter sido especulado diversas vezes. Após anos na Europa, o meia voltou ao futebol brasileiro no ano passado, contratado pelo Flamengo, clube que defende atualmente.

Já Robinho tem uma carreira de idas e vindas ao Santos O craque explodiu em 2004, quando marcou 21 gols em 36 partidas no Campeonato Brasileiro. No ano seguinte, o craque pediu para deixar o Alvinegro para jogar no Real Madrid e por zelar a segurança de sua família - a mãe do atacante foi sequestrada no ano anterior e ficou 41 dias em cativeiro.

Entretanto, a alegria voltou a reinar na Vila Belmiro quanto os torcedores souberam que Robinho voltaria ao Santos por empréstimo em 2010. E ele não decepcionou. Mais dois títulos garantidos: a Copa do Brasil e o Campeonato Paulista.

Em 2014 houve a terceira passagem do atacante pelo Peixe. Logo no ano seguinte, com a saída de Edu Dracena para o Corinthians, o craque voltou a ser o capitão do time. Com a confiança em alta, no confronto com a Portuguesa, em partida válida pelo Campeonato Paulista, marcou duas vezes e se tornou o segundo maior artilheiro da história do Peixe após a Era-Pelé, com 111 gols, deixando para trás Serginho Chulapa, que tem 104.