Atlético-MG cria projeto para ter uma das bases mais fortes do país

Yahoo Esportes
Revelado na base, Marquinhos fez um dos gols da vitória do Galo contra o Goiás (Alessandra Torres/AGIF)
Revelado na base, Marquinhos fez um dos gols da vitória do Galo contra o Goiás (Alessandra Torres/AGIF)

A vitória em cima do Goiás por 2 a 0, na última quarta-feira, foi o primeiro fruto colhido pelo Atlético-MG com sua categoria de base. E a expectativa é de que seja o início de uma série de grandes notícias com as fileiras inferiores. O projeto, desenvolvido pelo diretor-executivo de futebol, Rui Costa, visa fazer do Galo o dono de uma das bases mais fortes do país.

Para isso, o Atlético investiu em profissionais com experiência na área e em alguns dos melhores atletas amadores. “Trouxemos o Júnior Chávare para atuar como diretor-executivo da base e o James Freitas, que é auxiliar técnico do clube, ficou imerso na base por dois meses”, explica Rui Costa.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Uma das missões de James foi catalogar os atletas em categorias: G1, G2, G3... O primeiro grupo é formado por aqueles mais próximos da promoção no time principal, de três a seis meses. “Já começaremos a temporada de 2020 com três garotos que hoje estão nesse grupo de transição”, acrescenta o executivo.

A intenção dos atleticanos é contar com um elenco principal de no máximo 28 jogadores, que vão se somar a outros 11 do grupo de transição. “Teremos no futuro um time jovem, repleto de atletas formados em casa. E esse grupo ainda permite que aqueles jogadores com maturação tardia fiquem e explodam no clube.”

Nos últimos meses, o Atlético contratou 21 jogadores para a base. Também mudou toda a equipe de captação, investindo em observadores que tentem descobrir joias pelo Brasil.

Autor do primeiro gol na vitória contra o Goiás, na quarta, o meia Marquinhos, de 20 anos, é um dos atletas revelados na base. Bruninho, que fez o segundo gol, também surgiu na base. Outras promessas são Bruno Silva, Bruno Michel e Isaque.

Leia também