Atletas lamentam lesão, mas lembram que seleção vai além de Marta

Yahoo Esportes
Millene e Andressa Alves deram coletiva no CT do São Paulo (foto: Olga Bagatini)
Millene e Andressa Alves deram coletiva no CT do São Paulo (foto: Olga Bagatini)

seleção feminina se apresentou em São Paulo nesta segunda-feira visando o Torneio Uber Internacional de Seleções Femininas, que será realizado entre os dias 29 de agosto e 1º de setembro no estádio do Pacaembu. Sem Marta, cortada por lesão na coxa esquerda, Pia Sundhage fez sua primeira atividade à frente da equipe no CT do São Paulo. Após o treino, Andressa Alves e Millene falaram com os jornalistas e avaliaram o primeiro contato com a treinadora sueca.

“É uma treinadora com uma bagagem incrível, super inteligente, que gosta de fazer trabalho ofensivo”, afirmou Andressa Alves, jogadora da Roma.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Pia tem ótima bagagem, realmente só tem a agregar na nossa seleção. Certeza que será um trabalho de muita dedicação, tanto da parte deles quanto da nossa dentro de campo. Certamente a seleção será muito ofensiva. Vamos para cima e vamos buscar a vitória", acrescentou a artilheira do Corinthians.

Mais sobre futebol feminino no Deixa Ela Jogar:

A treinadora é sueca, mas deu as instruções de sua primeira atividade em inglês. Tanto Millene quanto Andressa afirmam que não dominam o idioma, mas, na atividade, os auxiliares Fabinho e Bia Vaz ajudaram com a tradução simultânea, assim como as jogadoras mais experientes na língua, como Formiga.

“Pia está fazendo aula de português”, explicou Andressa. “Mas não é problema porque futebol joga com as duas traves, 11 de cada lado do campo, e a bola é igual em todas as línguas. Ela vai conseguir passar o que ela quer através da comissão técnica, mas está fazendo aula e vai ser importante para se aproximar cada vez mais da gente.”

“É, ela falando ‘brasileiro’ vai ajudar demais”, brincou Millene.

As jogadoras também falaram sobre o corte de Marta, anunciado na tarde desta segunda-feira pela CBF. As duas concordaram que a ausência da camisa 10 será sentida, mas também será uma grande oportunidade para as mais novas mostrarem seu trabalho.

“Marta é Marta, sempre vai fazer falta pra gente, triste que ela tenha se lesionado porque fazia uma temporada boa no Orlando”, avaliou Andressa Alves.

“Que ela possa se recuperar porque ela é fundamental, assim como Formiga e Cris, são três pilares da seleção, mas que a gente não se apegue só às três porque um dia elas vão parar e terão que surgir outras. Yaya e Millene estão aí arrebentando no Brasileirão, e vamos abrir a cabeça que o futebol brasileiro tem muitas craques além das três", acrescentou a jogadora, ecoada por Millene.

“É uma perda grande, mas primeiramente tem que pensar na recuperação dela. Vai fazer falta, mas tem que dar espaço para mais novas que estão chegando, seja que atuem fora ou no próprio pais. Mas independente de quem estiver servindo à seleção, com certeza vai ajudar da melhor maneira", avaliou a atleta.

Leia mais:

Andressa Alves também falou sobre as primeiras impressões do trabalho de Pia.

“Tivemos uma reunião com ela depois do almoço, e hoje à noite vamos ter outra, para ela poder nos passar o que quer do time nos jogos. A princípio ela falou muito sobre chegar à linha de fundo para cruzar, falou que é um déficit nosso, e já começou a mudar”, afirmou a jogadora.

“Se ela reconheceu esse déficit em ir à linha de fundo é importante trabalhar isso. Para ganhar a Olimpíada, tem que estar 100% em todos os aspectos. Temos bastante tempo para trabalhar e organizar a seleção. A gente fica feliz porque Pia está com a gente", acrescentou a atleta. “Foi o primeiro contato, deu para ver do que ela é capaz. Agora temos aí dois jogos pela frente essa semana.”

Veja outros pontos da coletiva de Millene e Andressa Alves:

Sobre jogar no Pacaembu diante da torcida

Andressa: Todo mundo sabe que eu sempre pedi para jogar no Brasil, é a melhor maneira de aproximar o torcedor da seleção feminina. Faz dois anos que a gente não joga no Brasil, desde as Olimpíadas, é importante. Quanto mais jogos a gente puder fazer no Brasil, mais aproxima as jogadoras da torcida e dos jornalistas. A gente precisa desse apoio. É muito diferente ver pela TV e poder ver ao vivo no Pacaembu.

Sobre o movimento de mudança das seleções femininas:

Millene: Momento agora é de renovação, acho que muitos estão cobrando isso também, mas agora é dar tempo ao tempo. É a primeira convocação dela, primeiro torneio à frente da camisa amarela, é esperar, dar continuidade no trabalho que já vem sendo feito com a outra comissão para tabalhar da melhor maneira e colher bons frutos.

Andressa: A gente foi muito cobrado depois da Copa para ter essa mudança. A gente sabe da missão, troca comissão, vem uma treinadora do peso da Pia e a cobrança aumenta. Ao mesmo tempo a gente fica feliz de ter ela como treinadora, mas a cobrança só aumenta e a gente sabe disso.

Sobre o aumento da cobertura da imprensa ao futebol feminino:

Millene: É um momento que só tem a ganhar a modalidade. A Andressa citou e a gente espera que realmente nos abracem e apoiem porque faz total diferente, tanto a imprensa como os torcedores, é fundamental e deixa a gente mais motivado par entrar nos torneios e competições e mostrar nossa força e talento.

Andressa: A gente fica muito agradecida pelo que está acontecendo com o futebol feminino. Vocês (jornalistas) estarem aqui hoje, acompanhando treino, é muito importante, porque quanto mais gente ler as reportagens de vocês, mais vai crescer a modalidade. É importante que vocês estejam aqui e continuem lutando pela gente para que tenha amistosos nos Brasil e que possa passar os jogos em canais abertos.

Sobre jogadoras mais novas na seleção, como Yaya

Andressa: Importante deixar elas bem à vontade. É normal ficar um pouco tímida, ter medo de errar passe e fazer uma jogada diferente, mas tem que fazer o que faz no clube, ter confiança, entender que é para somar. A Cris é fundamental ela estar aqui.

Millene: Seleção também é nossa família. Passamos um longo tempo longe, mas quanto estamos juntas, a gente tem que se abraçar. Ter esse contato é fundamental, tanto para quem está sempre quanto para aquela que foi convocada pela primeira vez. Deixa o ambiente mais à vontade, mais leve, e fica mais gostoso.

Leia também