Atleta olímpica síria usou natação para salvar mais de 20 refugiados

Atleta olímpica síria usou natação para salvar mais de 20 refugiados

A nadadora Yusra Mardini foi eliminada na primeira fase dos 100m borboleta dos Jogos Olímpicos do Rio, mas isso pouco importa quando olhamos para a história de sua vida. Yusra é uma entre milhares de refugiados que fugiram da Guerra da Síria no último ano em barcos.

Nas frias águas no Mar Egeu, ela foi uma heroína junto com sua irmã ao empurrar o bote onde estavam, cujo motor havia quebrado. “Com uma mão, segurava a corda do bote, enquanto nadava com a outra e com os pernas”, revelou à agência Eurosport.

Havia nada menos do que 20 pessoas no bote e todas foram salvas ao chegarem à Ilha de Lesbos, graças à natação apurada de Yusra Mardini. “Foram três horas e meia em águas geladas”, relembrou. Ela aprendeu a nadar desde que seu pai, treinador, a ensinou aos três anos de idade.

Yusra Mardini, nadadora síria nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016
Yusra Mardini, nadadora síria nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016



Sua vida mudou radicalmente meses mais tarde, quando o Comitê Olímpico Internacional incluiu a jovem nadadora síria, de 18 anos, como integrante da equipe de refugiados que compete nos Jogos do Rio.

“É um sonho que se tornou realidade. Os Jogos Olímpicos são tudo, é uma oportunidade única na vida”, disse Yusra, que hoje vive e treina na Alemanha.

Leia também:
Marido de Gisele rasga-se em elogios a ela na abertura dos Jogos Olímpicos
10 esportes que lutam para entrar nas Olimpíadas

Cerimônia da abertura da Olimpíada faz sucesso e rende memes na web



Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos