Atleta é acusado de vender luta no UFC Coreia em 2015

UFC divulga datas e cidades-sede de eventos para início de 2018

Um evento organizado pelo Ultimate em novembro de 2015 na Coréia do Sul virou caso de polícia. Quase um ano e meio após a realização do show, as autoridades coreanas estão investigando uma suposta luta armada envolvendo um atleta nacional, que teria recebido uma quantia para perder o duelo para um lutador americano.

De acordo com informações publicadas pelo site ‘MMA Fighting’, o atleta coreano supostamente embolsou 88 mil dólares (cerca de R$ 276 mil) para perder a luta. Além disso, o lutador também fez uma aposta de 50 mil dólares (cerca de R$ 157 mil) no seu adversário.

Com as rápidas alterações nas bolsas de apostas, o atleta passou a ser questionado e, com medo de ter o esquema descoberto e sofrer represálias, decidiu lutar normalmente e venceu o combate. A partir daí, o coreano recebeu diversas ameaças e recorreu à polícia, onde confessou ter vendido o duelo.

Enquanto a maioria dos jornais coreanos não revelaram a identidade do atleta, alguns poucos veículos discutiram a possibilidade do lutador ser Tae Hyun Bang, que superou Leo Kuntz e foi o único coreano a vencer uma luta por decisão no evento. A investigação continua em andamento e a polícia está atrás de todos os envolvidos no esquema.