Atlético-MG ignora má fase de centroavantes e mantém esquema contra o Flu

Folhapress

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A seis jogos de encerrar a temporada, o Atlético-MG, que visita o Fluminense às 19h deste sábado (16), segue enfrentado um problema que vem desde o início de 2019: encontrar centroavante titular.

Vagner Mancini e o antecessor Rodrigo Santana não acharam um nome que vestisse a camisa 9 e fizesse gols importantes para o time no ano. A formação com um homem de frente, no entanto, será mantida nesta reta final.

"Sobre o Di Santo, ele é um cara que luta muito o jogo inteiro, tenta abrir espaço de um lado, do outro. Ele acaba ficando distante por um período, por causa do distanciamento dos outros jogadores do ataque. Isso dificulta a vida do centroavante. É uma coisa que tem me incomodado, não ter um agrupamento melhor de jogadores", declarou Vagner Mancini.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"É a vida do centroavante. É a vida de quem vive com dois marcadores, é o único que tem dois marcadores. Já pensei a respeito [de jogar com um falso nove]. No momento que estamos hoje, não dá para alterar demais a equipe. Temos uma boa formação, boas substituições, dois meninos chegando com qualidade", acrescentou.

Ricardo Oliveira, Alerrandro, Rafael Papagaio e Franco Di Santo já estiveram entre os titulares da equipe neste ano. No entanto, nenhum deles conseguiu uma sequência de gols no Campeonato Brasileiro 2019.

À exceção de Rafael Papagaio, os outros três balançaram as redes em duas oportunidades cada. No entanto, tiveram mais minutos que o garoto que foi repassado ao Goiás, em setembro.

Ricardo Oliveira foi quem mais teve oportunidades. O veterano de 39 anos esteve em campo por 1.161 minutos e marcou dois gols. Ele está sem balançar as redes há 408 minutos. O último gol foi na 14ª rodada do Brasileirão, justamente em vitória sobre o Fluminense, por 2 a 1, no Independência.

Responsável por dois gols na competição, Franco Di Santo é o segundo que mais atuou pelo time mineiro, com 948 minutos. Contratado em agosto, o argentino balançou a rede pela última vez na derrota por 4 a 1 para o Grêmio, pela 25ª rodada do Brasileiro. Ele não sabe o que é celebrar há 549 minutos.

Alerrandro não entrou em campo sob a batuta de Mancini. Agora lesionado, nem sequer deve atuar com o técnico em 2019. A sua última aparição foi em 13 de outubro passado, na goleada sofrida diante do Grêmio. Ele é o terceiro mais utilizado como centroavante, com 558 minutos em campo.

Já no Goiás, Rafael Papagaio foi quem menos teve chances. O jovem que pertence ao Palmeiras ainda não balançou a rede com as cores do Galo, mas ficou em campo por 124 minutos.

Contra o Flu, no Maracanã, Mancini terá, além de Di Santo no ataque, Marquinhos na vaga do convocado Otero e Jair, recuperado de lesão, no meio-campo.

Na equipe da casa, a principal novidade será a entrada do goleiro Marcos Felipe no lugar de Muriel, com uma fratura na mão. O time tricolor ainda terá Paulo Henrique Ganso de volta, antes poupado por desgaste físico, e Orinho na lateral esquerda —o titular Caio Henrique está a serviço da seleção sub-20.

FLUMINENSE

Marcos Felipe; Gilberto, Nino, Digão e Orinho; Yuri, Allan, Daniel e Ganso; Yony González e Marcos Paulo. T.: Marcão

ATLÉTICO-MG

Cleiton; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Zé Welison, Jair, Luan, Cazares e Marquinhos; Di Santo. T.: Vagner Mancini

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro

Horário: 19h deste sábado

Juiz: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Leia também