Ativistas do Catar denunciam morte de vira-latas antes da Copa

Matança de cães no Catar foi alvo de denúncia por parte de ativistas dos direitos de animais.
Matança de cães no Catar foi alvo de denúncia por parte de ativistas dos direitos de animais. Foto: (KARIM JAAFAR/AFP via Getty Images)

Organizações não-governamentais de direitos dos animais no Catar denunciaram o abate de uma grande quantidade de cachorros vira-latas no país que sedia a Copa do Mundo.

Ao contrário dos gatos, que são vistos com certa regularidade nas ruas de Doha, os cães são raros porque a população local não entende que os animais possam ser de estimação, mas perigosos e que transmitem doenças.

As ONGs Paws Rescue Qatar e a Qatar Animal Rescues afirmam que milhares de cachorros foram recolhidos das ruas e mortos a tiros e facadas. Em julho deste ano, um terreno que era habitado por cerca de 30 cachorros, incluindo filhotes, foi invadido por um grupo de quatro homens armados.

A matança vitimou 29 animais, deixando outros três feridos. A razão seria a mordida de um dos cachorros em um dos homens do grupo armado.

Leia também:

"Estimamos que cerca de 5 mil cachorros foram levados até hoje, mas eles não têm capacidade de abrigar tantos animais assim. Pedi várias fotos desse abrigo, mas eles nem sequer me deixam ver uma foto. Uma vez recolhida, a maioria nunca é vista ou ouvida novamente", afirmou Noora Al-Thani, do Qatar Animal Rescues, ao UOL Esporte.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Quando perguntamos o que aconteceu com eles, não obtemos resposta. Eles nos dizem que o abrigo do governo é um local 'confidencial' e não nos deixam visitá-lo por conta própria. Eles tratam os abrigos de animais como se fossem uma prisão de segurança máxima", explicou a voluntária.