Atencioso e grudado no filho, Neymar diz que 'mundo não acaba' após Copa

Ana Canhedo
LANCE!
Gazeta Press

Neymar

Gazeta Press


Neymar apareceu pela segunda vez após a eliminação do Brasil da Copa do Mundo da Rússia - o craque já havia dado entrevista durante Leilão Beneficente na última quinta-feira, em São Paulo - e falou sobre a frustração pela derrota no Mundial e também sobre a enormidade de críticas das quais foi alvo pela performance no torneio.

O jogador passou boa parte do evento grudado no filho Davi Lucca, de 6 anos, assistiu atentamente a todos os jogos das finais do Neymar Jr's Five - torneio de futebol amador que reúne jovens de todo o mundo - e foi bastante solicito com a imprensa presente no local, além de levar os torcedores nas arquibancadas à loucura.

Em seu Instituto, na Praia Grande, o craque do Paris Saint-Germain também desejou sorte aos garotos Vinicius Jr e Rodrygo na Europa. O primeiro já se apresentou ao Real Madrid e o segundo, ainda no Santos, irá para a Espanha no meio de 2019, após completar a maioridade.

- Falei com os dois já. Fico muito contente e feliz por serem dois grandes talentos sendo descobertos no futebol brasileiro novamente. Desejo toda a sorte do mundo para ambos e espero que arrebentem. Que possam dar felicidade para a família deles primeiro e depois para a Seleção Brasileira, também - ponderou o jogador, que passou pela zona mista durante o evento e atendeu praticamente todos os jornalistas.

Apoiado nos ombros do pequeno Davi Lucca durante as entrevistas, Neymar fez questão de deixar claro que o "mundo não acabou" depois da Copa do Mundo. Criticado por boa parte da imprensa internacional após a performance no Mundial da Rússia, o craque garantiu ter absorvido todas da melhor maneira possível, já que, segundo ele, é algo que faz parte de toda sua carreira e não irá lhe atrapalhar.

- Vocês me acompanham a quanto tempo? É a primeira vez que me criticam? Então pronto. Estou acostumado. Não comecei ontem a jogar futebol. Depois que perde, as coisas caem nas minhas costas. Mas minhas costas são largas. Não tem problema me criticarem. Sei do potencial que tenho, do que posso fazer e tudo o que fiz até agora não está errado. Cheguei muito longe e estou feliz com tudo isso - afirmou, e foi além:

- Tenho um motivo triste para lamentar, que é um sonho que acabou e que está distante, só daqui a quatro anos. Mas o mundo não acaba. Tenho que seguir, tenho meu filho, não posso ficar triste pelo resto da vinha, porque não podemos viver assim. E tenho mais motivo para ser feliz do que triste. Então, minha vida vai seguir e vou voltar com tudo para Paris, fazer grande temporada.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também