Atacante do Cruzeiro vai ser operado pela sexta vez em menos de dois anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em junho de 2015 o atacante Judivan vivia um sonho. Era titular da seleção brasileira sub-20 na Copa do Mundo da categoria, disputada na Nova Zelândia. Mas tudo mudou após uma entrada violenta do zagueiro Maurício Lemos, do Uruguai, no confronto das oitavas de final do torneio. O jogador do Cruzeiro foi cortado da competição após fazer exame de imagem e ser diagnosticado o rompimento dos ligamentos do joelho esquerdo.

A partir de então, o sonho deu lugar ao pesadelo. Ainda em junho daquele ano, Judivan fez a primeira cirurgia no joelho esquerdo. Nesta sexta-feira, o Cruzeiro informou que o atleta vai passar por nova intervenção cirúrgica, a sexta em menos de dois anos. Porém, dessa vez, o procedimento vai ser no joelho direito, como explica o médico do Cruzeiro, Sérgio Freire Júnior.

"O Judivan se queixou de uma dor mais importante no joelho direito nesta sextafeira, relativa ao treino realizado na quinta. Optamos por realizar um exame de imagem e foi feita uma ressonância magnética que mostrou uma fratura da patela do joelho direito, que tem indicação de tratamento cirúrgico e demora dois meses para se consolidar", explicou o médico ao site oficial do clube. Somente no joelho esquerdo, Judivan foi operado cinco vezes. A primeira logo em seguida à entrada de Lemos, para reconstrução do ligamento. Ainda em 2015, o atacante precisou passar por duas artroscopias no joelho esquerdo, em outubro e novembro. No ano passado, sem evolução no tratamento, uma nova cirurgia. Por causa de uma infecção, em outubro de 2016 o jogador do Cruzeiro era operado pela quinta vez.

A sexta cirurgia de Judivan em menos de dois ainda não tem data marcada. Mas como são pelo menos dois meses entre recuperação e tratamento, além da recuperação da parte física e até mesmo da confiança do jogador, dificilmente a torcida do Cruzeiro vai ver o atacante em campo neste primeiro semestre.

"A cirurgia e os demais procedimentos ainda serão programados para serem realizados", completou o médico do Cruzeiro, Sérgio Freire Júnior.