Assembleia de SP marca homenagem a ex-ditador do Chile a pedido de deputado do PSL

Foto de Augusto Pinochet em 1998. Foto: AP/Santiago Llanquin
Foto de Augusto Pinochet em 1998. Foto: AP/Santiago Llanquin

A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) marcou para o dia 10 de dezembro ato em homenagem à memória do ex-ditador do Chile, Augusto Pinochet. O pedido foi protocolado pelo deputado estadual Frederico D’Ávila (PSL).

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A homenagem está marcada na agenda pública da Alesp, disponível no site oficial da assembleia, como informou o site Exame. O evento consta como “Ato Solene em Memória do Presidente Augusto P. Ugarte”, escondendo o nome pelo qual o ex-ditador ficou conhecido.

Leia também

O ato surge em meio a uma onda de protestos de cidadãos chilenos que deixou mortos e feridos desde outubro. Em resposta, o Congresso do país decidiu convocar um plebiscito para que os cidadãos decidam se querem ou não reformular a Constituição do país, em vigência desde a ditadura militar de Pinochet.

DescriçãoAugusto José Ramón Pinochet Ugarte foi o general do exército chileno que comandou a ditadura militar do país de 1973 a 1990. Durante 17 anos, o regime deixou 3 mil mortos e mais de 40 mil dissidentes torturados.

O PSL é repleto de nomes favoráveis à ditadura de Pinochet, incluindo o mais famoso ex-filiado, o presidente Jair Bolsonaro. Em 11 de setembro, enquanto o mundo se solidarizada por conta do atentado às Torres Gêmeas em 2001 e relembrava à época da ditadura vivida pelos chilenos, Bolsonaro demonstrou apoio ao governo do ditador Augusto Pinochet publicamente.

Também em setembro, o presidente atacou o pai de Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para direitos humanos e ex-presidente do Chile, morto pela ditadura militar chilena, em postagem em uma rede social.

“[Bachelet] diz que o Brasil perde espaço democrático, mas se esquece que seu país só não é uma Cuba graças aos que tiveram a coragem de dar um basta à esquerda em 1973, entre esses comunistas o seu pai brigadeiro à época”, escreveu Bolsonaro na ocasião.

A Alesp ainda não se pronunciou sobre o caso.

Leia também