Artilheiro do São Paulo, Brenner revela quase ter desistido do futebol

LANCE!
·2 minuto de leitura


Artilheiro do São Paulo na temporada com 17 gols marcados, o atacante Brenner revelou que pensou em desistir do futebol quando as coisas não iam bem em seu início de carreira no Tricolor do Morumbi. Emprestado ao Fluminense no ano passado após perder espaço no CT da Barra Funda, o jogador conheceu o técnico Fernando Diniz e, quando o reencontrou, sua carreira despontou.

- Fui emprestado para o Fluminense, tive a oportunidade de conhecer o Diniz, mas depois perdi o foco. Perdi até a vontade de jogar futebol. Pedi até para não ir a jogos, pedi para ficar em casa. Eu ia treinar pensando para onde eu ia depois. Não queria mais jogar bola, não. Tive uma conversa com a minha mãe e falei que eu estava desanimado e que não sabia se queria seguir o sonho de criança, porque não queria mais esse caminho - afirmou o jogador em entrevista para a São Paulo TV, lamentando as oportunidades desperdiçadas no Tricolor das Laranjeiras e também no clube do Morumbi.

Revelado na base do São Paulo, Brenner foi profissionalizado ainda aos 17 anos pelo ex-técnico Rogério Ceni. O jogador chegou a ter alguns lampejos de bom futebol em seu ano de estreia, mas a imaturidade e a briga do Tricolor contra o rebaixamento na temporada 2017 contribuíram para que o atacante fosse pouco utilizado dali para frente.

Emprestado ao Fluminense em 2019, Brenner também não convenceu no Tricolor das Laranjeiras. Ao fim daquele ano, o São Paulo chamou o jogador para atuar na Copa São Paulo de Futebol Jr., mas o artilheiro recusou por entender que seria um retrocesso em sua carreira. Desanimado, o são-paulino afirma que perdeu o interesse de jogar futebol.

A mudança aconteceu quando Fernando Diniz, seu ex-técnico no Rio de Janeiro, decidiu lhe dar uma chance e o convocar para voltar ao São Paulo no início deste ano. A confiança do treinador deu certo e, de lá para cá, Brenner é o artilheiro da equipe na temporada, com 17 gols.

- Recebi a notícia que o Diniz me queria. Aquele dia minha bateria foi recarregada 100%. Prometi para a minha mãe que eu ia me entregar. Eu nunca treino nas férias, dessa vez eu treinei. Falei para a minha mãe: "Vou morar no CT e quero viver e respirar o futebol - concluiu o atleta.