Arthur Elias fala sobre sucesso do Corinthians Feminino: "Não tem segredos"

O Corinthians é um dos principais times femininos de futebol hoje no país. E muito disso passa pelo ótimo trabalho de Arthur Elias. Há quatro anos no comando do clube alvinegro, ele já conquistou tudo o que disputou, estabeleceu recordes e foi cogitado como treinador da seleção brasileira antes de Pia Sundhage ser anunciada.

Sob seu comando, o Corinthians conseguiu 34 vitórias consecutivas, recorde mundial na modalidade reconhecido pelo Guiness Book . Até agora, são 44 jogos de invencibilidade, conquistando a Libertadores neste período. Feitos de dar inveja a qualquer treinador, mas Arthur Elias, em entrevista exclusiva para a Goal , disse que não há mistérios sobre como conseguir tais números.

"Segredo não existe", afirmou o treinador. "O que a gente faz é trabalhar muito. Temos um grupo muito qualificado e comprometido, desde as atletas e comissão técnica até a diretoria que nos apoia bastante. Só aproveitamos as vantagens que temos no nosso trabalho e a continuidade e manutenção desse grupo nos últimos anos nos levou a aumentar a chance de vencermos cada partida".

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Mas ele quer ir além. Perguntado sobre qual é o próximo passo depois de tantas conquistas, Arthur Elias respondeu: "Seguir ganhando o que aparecer. Seguir jogando bem, conseguir qualificar mais o trabalho para que aumente nossas chances de vencer. Quando se veste a camisa do Corinthians essa é uma obrigação e todo mundo que trabalha nesse clube pensa grande".

Arthur Elias Libertadores Feminina 2017
Arthur Elias Libertadores Feminina 2017

A curto prazo, ele já mira mais um título: o Paulista. A finalíssima contra o São Paulo, de Cristiane , acontece no próximo sábado (16), às 11h, na Arena Corinthians: "Eu espero que a gente consiga encerrar esta temporada com mais um título, numa campanha fantástica no Campeonato Paulista de, até então, 19 jogos e 19 vitórias".

Na primeira partida, as alvinegras levaram a melhor e venceram por 1 a 0 . O gol foi marcado por  Giovanna Crivelari, uma das principais armas do ataque corintiano .

Ao longo de toda a temporada, uma nova rivalidade surgiu na modalidade: Corinthians e Ferroviária. Além da semifinal do Paulistão, vencida pelas corintianas, as duas equipes disputaram duas finais: Brasileirão, melhor para a Ferroviária que com dois empates e vitória nos pênaltis garantiu a taça, e a Libertadores, vencida por 2 a 0 pelas alvinegras , com gols de Crivelari e Juliete.

"Foi uma campanha deles realmente incrível [no Brasilerão] de ter vencido três mata-matas nas penalidades", comentou Arthur Elias.

"Eu fiquei muito satisfeito com o nosso desempenho nos três campeonatos. Acho que houve sim essa rivalidade por a gente ter decidido os campeonatos juntos, mas isso é dentro de campo. Fora dele, a gente vê a Ferroviária com um histórico de trabalho muito bacana na modalidade, com muita seriedade e profissionalismo, qualificação para chegar às finais", conluiu.

O ano de 2019 ficou marcado por uma mudança na forma como o futebol feminino é visto. A Copa do Mundo foi a grande responsável por esta mudança, registrando recordes de público e audiência. Arhur Elias, que trabalha há anos com a modalidade, analisou esse fenômeno como um caminho sem volta.

"Eu enxergo em franco crescimento. Eu acho que é algo que não tem volta, que não vai andar mais para trás", disse.

Mas ele também ponderou que é preciso haver um verdadeiro estabelecimento da modalidade: "Esse desenvolvimento precisa ser, obviamente, mais planejado e melhor pensado em muitos aspectos: calendário, divulgação, trabalho de formação de atletas, o fator econômico, o mercado... Mas eu não tenho dúvidas que a modalidade está numa crescente e não vai sair disso".

Leia também