Árbitro denuncia suborno em partida da Copa do Brasil

<em>A partida entre Manaus e CSA-AL está sob investigação do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). (Gazeta Press)</em>
A partida entre Manaus e CSA-AL está sob investigação do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). (Gazeta Press)

A partida entre Manaus e CSA-AL está sob investigação do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O jogo realizado em 7 de fevereiro de 2018, válido pela Copa do Brasil, recebeu uma denúncia de tentativa de manipulação de resultado. A acusação partiu do árbitro Vanderelei Soares de Macedo, que procurou o STJD dois dias depois do jogo e revelou uma proposta de R$ 20 mil para ajudar o time do Amazonas. A proposta partiu do auxiliar de fisioterapia do Brasiliense, Pedro Crema.

No entanto, Crema não é o único denunciado. Ao seu lado estão os assistentes do duelo, Lucas Torquato Guerra e Souza Gonçalo, ambos do Distrito Federal, quarto árbitro Ivan da Silva Guimarães, o analista de campo Raimundo Nonato da Silva e o delegado da partida, Lázaro D’Angelo Pinheiro, do Amazonas, além do presidente do Gavião do Norte, Giovanni Alves Silva. Todos enquadrados nos Arts.241 e 243-A e artigo 62 e 69 da FIFA na forma do Art.183.

Até o momento, Pedro Crema foi o único suspenso por 365 dias e terá de pagar multa de R$ 10 mil. O julgamento aconteceu em 11 de maio.

O Ministério Público acredita que o caso pode estar ligado a algum site de apostas, porém, imagina que essa partida esteja envolvida em um grande esquema de suborno. Vale ressaltar que com a classificação à segunda fase, o Manaus arrecadaria R$ 600 mil, além da receita da partida contra o São Paulo.

Leia mais
Santos tem 2º prejuízo com jogos na Vila em três dias
Promessa do PR entra na mira de Corinthians, Atlético-PR e Flu
Ala do Flamengo defende Seedorf no clube

Nota do STJD na íntegra

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol confirmou na próxima sexta, dia 11 de maio, o julgamento da tentativa de Manipulação de Resultado na partida entre Manaus e CSA , pela Copa do Brasil. O processo teve origem após o árbitro escalado para a partida, Vanderlei Soares de Macedo revelar um dia antes do jogo ter sido abordado e recebido uma proposta para favorecer a equipe de Manaus. Dentre os denunciados integrantes da equipe de arbitragem, o delegado da partida, um integrante do Brasiliense e o presidente do Manaus. O processo será julgado pela Quinta Comissão Disciplinar em sessão agendada para às 10h.

O árbitro Vanderlei Soares de Macedo foi escalado para apitar a partida entre Manaus x CSA, pela primeira fase da Copa do Brasil (07/02).De acordo com o árbitro, o auxiliar de fisioterapeuta do Brasiliense chamado Pedro Crema o abordou dois dias antes durante uma clínica de treinamento para árbitros no DF e ofereceu o valor de R$ 20 mil para que o mesmo favorecesse a equipe do Manaus na partida.

Um dia antes da partida o árbitro Vanderlei resolveu denunciar a abordagem junto ao Departamento da CBF para apurações necessárias. Ciente que o árbitro levou as informações para a CBF, Pedro Crema enviou mensagens para o árbitro Vanderlei.

A CBF oficiou o STJD sobre o caso. A Procuradoria pediu para todos os envolvidos na partida se manifestarem, mas os mesmos não fizeram.

Foi aberto então um inquérito, mas somente o árbitro confirmou , esclareceu todos os fatos e juntou as mensagens trocadas com o fisioterapeuta do Brasiliense. Os demais integrantes da arbitragem, Pedro Crema e o presidente do Manaus negaram.

Concluído o inquérito, a Procuradoria denunciou Lucas Torquato Guerra (DF), árbitro assistente; Marconi de Souza Gonçalo (DF), árbitro assistente; Ivan da Silva Guimarães Júnior (AM), quarto árbitro; Raimundo Nonato da Silva (AM), analista de campo; Lázaro Dangelo Pinheiro, delegado da partida; Pedro Crema (DF), auxiliar de fisioterapia do Brasiliense F.C e Giovanni Silva (AM), presidente do Manaus Futebol Clube, todos nas iras dos Arts.241 e 243- A e artigo 62 e 69 da FIFA na forma do Art.183.

Explicação de cada artigo

Artigo 241 do CBJD. Dar ou prometer qualquer vantagem a árbitro ou auxiliar de arbitragem para que influa no resultado da partida, prova ou equivalente. PENA: multa, de R$ 100 a R$ 100 mil, e eliminação. Parágrafo único. Na mesma pena incorrerá: I – o intermediário; II – o árbitro e o auxiliar de arbitragem que aceitarem a vantagem.

Artigo 243-A do CBJD. Atuar, de forma contrária à ética desportiva, com o fim de influenciar o resultado de partida, prova ou equivalente. PENA: multa, de R$ 100 a R$ 100 mil , e suspensão de seis a doze partidas, provas ou equivalentes, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, ou pelo prazo de cento e oitenta a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código; no caso de reincidência, a pena será de eliminação.

62. 1. Código da FIFA. Qualquer um que oferecer promessas ou ceder uma vantagem não justificada para um órgão da FIFA, um oficial de partida, um jogador ou para um oficial em nome próprio ou de terceiros em uma tentativa de incitá-lo a violar os regulamentos da FIFA receberá uma punição:

a) com uma multa de pelo menos CHF 10.000;
b) banimento de atividades relacionadas ao futebol; e
c) banimento de entrada em qualquer estádio.

69.2. Código da FIFA. No caso de um jogador ou um oficial influenciarem de modo ilegal o resultado de uma partida em conformidade com o par. 1, o clube ou associação na qual o jogador ou o oficial fazem parte poderá ser multado. Ofensas graves podem ser punidas com a expulsão de uma competição, rebaixamento de divisão, redução de pontos e devolução de pontos.

Leia também