Aproveitamento nas finalizações foi o ponto chave da vitória da Ponte

A surpreendente vitória da Ponte Preta por 3 a 0 sobre o Palmeiras, neste domingo, no Moisés Lucarelli, pela partida de ida das semifinais do Campeonato Paulista, teve um ponto chave: o aproveitamento nas finalizações. De acordo com dados da Footstats, a Macaca teve 75% de efetividade nos chutes, acertando seis das oito finalizações na meta de Fernando Prass. Destes seis chutes, metade deles balançou as redes.

O Palmeiras, por outro lado, falhou neste quesito. Das 11 tentativas de gol da equipe alviverde, apenas duas estiveram na rota da meta defendida pelo goleiro Aranha. Tais números dão ao Verdão um aproveitamento de apenas 18% nas finalizações, o segundo pior neste Campeonato Paulista.

O time comandado por Eduardo Baptista só teve um desempenho pior nas finalizações na derrota por 1 a 0 para o Ituano, no dia 12 de fevereiro, em partida válida pela segunda rodada da primeira fase do Campeonato Paulista. Na ocasião, o Palmeiras acertou apenas um dos dez chutes 11 chutes que arriscou ao gol.

Além de um bom aproveitamento nas finalizações, a Ponte Preta também teve uma ótima performance nos passes, com 92% de acerto. Dos 322 passes tentados pela Macaca, 296 tiveram o endereço correto, enquanto apenas 26 acabaram nos pés de jogadores do Palmeiras. O Verdão também foi eficiente nos passes, acertando 416 dos 455 toques feitos (91% de aproveitamento).

A Macaca tentará manter a combinação eficiente e eficaz entre passes certos e finalizações certeiras para garantir a vaga na final do Campeonato Paulista, no próximo domingo, às 19 horas (de Brasília), no Palestra Itália. Já o Palmeiras precisará melhorar o aproveitamento nos chutes a gol se quiser reverter a desvantagem em seus domínios e se classificar para a decisão do Estadual.