Aposta de Tite, Diego Souza coleciona passagens por grandes clubes do Brasil

Desde a lesão de Gabriel Jesus o nome de Diego Souza vem sendo pauta no futebol brasileiro e internacional. Isso porque o técnico Tite em uma de suas primeiras entrevistas após a notícia do desfalque do atacante do Manchester City, apontou o jogador do Sport como possível convocado. Não deu outra, ao divulgar a lista dos 23 selecionados para os duelos contra Uruguai e Paraguai pelas Eliminatórias da Copa do Mundo o nome de Diego Souza estava lá. 

Estranheza, merecimento, desconfiança ou confiança, são muitas as sensações causadas pela convocação do meia-atacante do Sport, que volta a ter um representante na Seleção, algo que não acontecia desde 2001. 

Aos 31 anos, Diego Souza carrega traços daquele garoto polêmico e irreverente que começou a carreira na base do Fluminense mas pouco tempo depois de sair do clube rumo ao Benfica voltou a cidade para vestir as cores do Flamengo, maior rival do Tricolor. 

Muitas foram as transformações na sua carreira, a principal delas deixar de ser um meia defensivo para jogar até de atacante como acontece hoje no time pernambucano. Diego coleciona passagens por vários dos maiores clubes do futebol brasileiro, começou no Fluminense, passou pelo Flamengo, teve sucesso no Grêmio, brilhou no Palmeiras, no Vasco, também esteve no Atlético-MG, no Cruzeiro e hoje é ídolo do Sport.

Diego Souza Sport Recife Figueirense Brasileirão 11122016


(Foto: Williams Aguiar/Sport Recife/Divulgação)

Fora do Brasil, além do Benfica, Diego Souza também passou por Al-Ittihad e Metalist, mas nenhum deles teve o sucesso como teve em solo brasileiro. 

No Grêmio, em excelente fase técnica e física, Diego foi um dos principais jogadores na bela campanha do time dirigido por Mano Menezes na Libertadores de 2007. No ano seguinte, defendeu o Palmeiras onde alternou a boa fase com problemas disciplinares.

Foi pelo Palmeiras também que Diego Souza recebeu sua primeira chance na Seleção principal, ele foi convocado por Dunga e fez sua estreia na Canarinho contra a Bolívia, em La Paz, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Diego Souza Palmeiras


(Foto: Getty Images)

Os problemas disciplinares passaram a se tornar mais frequentes e Diego Souza também começou a brigar contra a balança. Em 2010 se transferiu para o Atlético-MG numa transação considerada bastante alta para os padrões do futebol brasileiro, não teve sucesso no Galo.

Vendido ao Vasco em 2010, o atacante voltou a reencontrar a boa fase. Artilheiro dos belos gols, teve bela passagem pelo time Cruzmaltino conquistando títulos e terminando com uma seca que incomodava os vascaínos.

Ele também protagonizou um dos lances mais memoráveis do futebol brasileiro nos últimos anos. Pela Copa Libertadores, contra o Corinthians de Tite, Diego Souza teve a bola do jogo e da classificação vascaína para as semifinais, mas frente a frente com Cássio errou o chute e viu o atual treinador da Seleção avançar na competição. 

Diego Souza Vasco x Corinthians


(Foto: Getty Images)

Com o sucesso no Vasco, Diego se transferiu para o mundo árabe mas retornou rapidamente para o Cruzeiro onde teve passagem apagada em 2013. Do time Celeste foi parar no Metalist mas também sem sucesso.

Em 2014, sua história com o Sport começou, o time pernambucano contratou o jogador por empréstimo que rapidamente se adaptou e viu o seu bom futebol de volta, conquistou a torcida e virou um verdadeiro xodó.

Gols, assistências e idolatria fizeram com que Diego Souza voltasse a ser cobiçado por vários clubes no Brasil. Ele acertou o retorno para o Fluminense em dezembro de 2015. Porém o casamento durou pouco mais de três meses.

Diego Souza | Cruzeiro x Fluminense | Primeira Liga 2016 | 17/02/2016


(Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C.)

Afirmando ir em busca da felicidade, Diego Souza abriu mão de cerca de 100 mil reais em salários e pediu para retornar ao Sport, atitude essa que causou ainda mais idolatria dos pernambucanos com o camisa 87. 

De volta ao Sport, Diego Souza fez um grande Brasileirão em 2016 e foi eleito um dos melhores jogadores da competição. Com gols e assistências foi decisivo na campanha da equipe que brigou para não cair. 

Apesar do grande destaque seguiu no time pernambucano e hoje é a maior referência técnica e de liderança da equipe. Pode atuar tanto no meio-campo, como no ataque, tem chute potente, bate falta, faz pivô e leva vantagem no bom porte físico. Deixou os problemas com a balança e a indisciplina de lado e conseguiu retornar à Seleção. Ainda que não seja unanimidade será bastante curioso pode assistir como ele se sairá diante desta oportunidade.

O Brasil encara o Uruguai nesta quinta-feira(23), às 20h00, em Montevideu. Cinco dias depois recebe o Paraguai, na Arena Corinthians.