'Se soubesse o que iria encontrar, não teria assumido o clube', diz presidente do conselho gestor do Cruzeiro

Valinor Conteúdo
LANCE!
Fróes quer rever os acordos firmados antes de fazer os pagamentos-(Divulgação/Cruzeiro)
Fróes quer rever os acordos firmados antes de fazer os pagamentos-(Divulgação/Cruzeiro)

A situação do Cruzeiro, que vive sua maior crise em 99 anos, dentro e principalmente fora de campo, assustou os membros do conselho gestor, que assumiu o clube em dezembro de 2019.

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM
SIGA O YAHOO ESPORTES NO FLIPBOARD

É consenso entre os empresários que se propuseram a ajudar o clube que se soubesse como estava a real situação da Raposa, provavelmente não teriam aceitado assumir a função no clube como gestores.

Leia também:

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Até agora, dois membros importantes do conselho, Vittorio Medioli e Pedro Lourenço, deixaram o dia a dia do Cruzeiro, por divergências na forma que desejavam conduzir o clube.

-Nós fomos infantis porque deveríamos ter conhecido primeiro os números do Cruzeiro para aceitar um desafio desse. Se eu soubesse, não teria entrado-disse o presidente do conselho gestor Saulo Fróes, em entrevista à Rádio Itatiaia.

Segundo Fróes, se os demais membros do conselho soubessem antes como estava a Raposa, não assumiriam.

-Um dos conselheiros que saiu, eu não vou citar o nome para preservar, falou: ‘nós fomos infantis porque deveríamos ter conhecido primeiro os números do Cruzeiro para aceitar um desafio desse. Se eu soubesse, não teria entrado’. Eu acho que não é só ele, acho que todos também não teriam porque é uma coisa de assustar- revelou.

Desde que o Núcleo Dirigente Transitório assumiu o Cruzeiro, a esperança de sanear o clube se tornou mais complicada quando o grupo teve a notícia que a dívida da Raposa passaria dos R$ 800 milhões, ao invés dos R$ 700 milhões divulgados.

Porém, Saulo Fróes mantém otimismo e disse que houve melhoras no Cruzeiro em relação ao caos encontrado no clube. Ele destacou as medidas emergenciais que foram tomadas para cortar gastos, como a demissão de mais de 100 funcionários, além do fechamento de três andares da sede administrativa do Barro Preto para gerar economia ao clube.

-A situação do Cruzeiro era muito ruim. Já melhorou, mas a nova diretoria que assumir terá muito trabalho. Porém, posso garantir que o pior cenário ela não vai pegar- concluiu.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter


Leia também