Após registrar surto de Covid-19, escola particular no interior de SP suspende aulas presenciais

João de Mari
·2 minuto de leitura
Students wearing masks to curb the spread of the new coronavirus arrive for class at a private school in Brasilia, Brazil, Monday, Sept. 21, 2020. Private schools, closed since the second half of March due to the COVID-19 pandemic, have reopened their doors. Returning to school is optional and online classes continue for students who choose to stay at home watching classes via remote education. (AP Photo/Eraldo Peres)
Em um comunicado enviado aos pais dos alunos, obtido pelo jornal, a instituição chegou a afirmar que 34 funcionários testaram positivo para a doença (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

A escola particular Jaime Kratz, localizada em Campinas, no interior de São Paulo, suspendeu temporariamente as aulas presenciais nesta segunda-feira (1º), apenas uma semana após a volta às aulas. O motivo: um surto de Covid-19 entre alunos e funcionários.

A instituição informou ao G1 que os primeiros casos começaram a ser confirmados no dia 20 de janeiro e, até o momento, um aluno testou positivo e outros seis apresentaram sintomas da doença.

Em um comunicado enviado aos pais dos alunos, obtido pelo jornal, a instituição chegou a afirmar que 34 funcionários testaram positivo para a doença. Por este motivo, segundo a escola, eles teriam sido afastados das funções por 11 dias.

No entanto, o total oficial de profissionais infectados não foi confirmado pela Secretaria de Saúde do município. Em nota, a pasta informou apenas que “não tem detalhes para fornecer, por enquanto” e que a “Vigilância em Saúde ainda está investigando o caso”.

Leia também:

As aulas presenciais haviam sido retomadas no dia 25 de janeiro por meio de rodízio, ou seja, com 35% dos alunos presentes. Ao todo, 1,3 mil estudantes estão matriculados na instituição. Agora, o ensino remoto segue até 18 de fevereiro, diz a escola.

Segundo o G1, ao escola passará por um processo de “desinfecção”. A instituição ainda afirmou que “enviou uma planilha com os dados epidemiológicos de todos os docentes infectados à Vigilância Sanitária de Campinas. A Delegacia de Ensino do Estado também foi comunicada".

Porém, a prefeitura afirma ainda que não tem detalhes para fornecer, por enquanto.

Volta às aulas presenciais

No dia 22 de janeiro, o governo de São Paulo anunciou o adiamento da volta às aulas presenciais nas escolas estaduais, marcada para acontecer no próximo dia 1º de fevereiro para o dia 8 de fevereiro. A medida aconteceu após o aumento de casos do novo coronavírus.

Porém, escolas particulares seguem autorizadas a retomar suas atividades no primeiro dia de fevereiro. Quanto ao âmbito municipal, a decisão fica por conta das prefeituras. Na capital paulista, as escolas da rede municipal podem reabrir, a princípio, a partir de 1º de fevereiro. As aulas presenciais devem retornar efetivamente no próximo dia 15.

A Secrtaria de Educação informou que o retorno das aulas presenciais da rede municipal estão previstas para retomarem no dia 1º de março, desde que a cidade esteja na fase amarela do Plano São Paulo e todos os protocolos de segurança sanitária serão cumpridos. Em relação as redes particular e estadual, as escolas seguem o que determina o Plano São Paulo.