'Pitbull' se oferece para lutar em quatro categorias e desafia rival: "Quero a cabeça dele"

Escalado para disputar o título dos pesos-penas (66 kg) do Bellator, posto que já foi seu, Patrício ‘Pitbull’ enfrentará Daniel Straus pela quarta vez na carreira nesta sexta-feira (21). A disputa será a primeira apresentação do brasileiro após sua ‘aventura’ como peso-leve (70 kg), quando se lesionou no duelo contra Benson Henderson. O revés, porém, não alterou seus planos de competir em diversas categorias.

Em conversa com a reportagem da Ag. Fight, Patrício garantiu que pode competir em quatro divisões de peso, limite este que acabou sendo imposto apenas pelas regras das Comissões Atléticas, que impõe um ‘teto’ para a diferença de peso entre os competidores. Não fosse por isso, o brasileiro miraria voos ainda mais audaciosos.

“Mandei email para o Bellator em 2013 e disse que luto de 61 kg até 77 kg. Não tem nesse negócio de peso. Mas tem as Comissões, por isso luto nessas categorias. E nem penso em cinturão. Nos galos temos o Leandro Higo, no penas temos eu, nos leves o meu irmão. Então, estuo am aberto para lutar em qualquer peso”, prometeu em lógica própria.

Se os cinturões não são prioridades e categorias de peso passam longe de serem fundamentais, o atleta da clara amostra de que, na verdade, ele é, como dizem na gíria do MMA, ‘old school’. Tanto que já pensando no próximo desafio após o Bellator 178, o veterano promete ir atrás de um velho rival.

“Depois dessa luta eu acho que vai sair alguma coisas dali, quem sabe a cabeça do Michael Chandler [campeão dos leves]. Não quer o cinturão dele, não. Quero aós a cabeça desse cara”, afirmou ao relembrar a polêmica travada com o americano no ano passado, quando ele nocauteou Patrick, seu irmão.

No entanto, mesmo com as polêmicas e desejos em mente, Pitbull tem no confronto contra Straus seu passo mais importante no momento. E, negando que falte nomes de peso na categoria apesar do excesso de confrontos contra o americano, Pitbull promete disposição para uma nova guerra.

“Enfrentei ele três vezes e todas foram decisivas. A primeira vencei no final do GP e na segunda vencei por finalização. Foi guerra. Na terceira eu perdi em luta apertada. Agora todos querem ver. Não ficou claro quem é o melhor. É a primeira vez que vamos lutar com ele sendo o campeão. Estrategicamente, mudou muita coisa. Mas toda luta para mim é a luta da minha vida”, finalizou.